Director Carlos Rosado de Carvalho

Pedidos ao PR sobre a cooperação com a China

Pedidos ao PR sobre a cooperação com a China

"Os dois estadistas registaram, com satisfação, que, desde o estabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países, a cooperação bilateral tem registado uma evolução positiva, como se pode constatar pela sua substancial contribuição para o sucesso do Programa de Reconstrução Nacional da República de Angola."

O parágrafo anterior é o ponto 6 do comunicado final da visita que o ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, efectuou à China, de 8 a 13 de Junho de 2015, a convite do seu homólogo chinês Xi Jinping.

"A relação do volume de fundos postos à nossa disposição, traduzidos hoje na dívida que temos para com a China, implicaria, em situação normal, resultados mais visíveis", reconheceu o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, citado pelo Jornal de Angola desta quinta-feira, 11 de Outubro de 2018, num artigo sobre a visita que o Presidente de Angola, João Lourenço, efectuou à China esta semana a convite do seu homólogo chinês Xi Jinping.

Em pouco mais de três anos, a avaliação das relações entre a Angola e a China passou de 80 para 8.

Costuma dizer-se que reconhecer um problema é o primeiro passo para o resolver. Faltam muitos mais. Aponto dois que podem ajudar.

Para corrigir o que está mal, é necessário perceber o que correu mal. Por isso, senhor Presidente, contrate universidades angolanas e dê-lhes via verde para entrarem nos Ministérios, a começar pelas Finanças, para fazerem o balanço da cooperação Angola-China até ao momento: Quanto dinheiro entrou, onde foi aplicado, quanto pagámos, quanto devemos e o que ganhámos.

Futuramente, divulgue cada kz que entrar em Angola proveniente da China e qual o seu custo, em termos de taxa de juro e de outras condições contratuais, incluindo as garantias.

Em cada obra chinesa, e não só, mande colocar um cartaz a dizer o que é, quanto custa, qual o prazo de construção e a identificar o ministro responsável, o projectista, o construtor e o fiscal.

Vai ver que as coisas vão melhorar. Não que tenha ilusões sobre as linhas de crédito. Não tenho. Da China ou de outros países. Actualmente, a maior parte do financiamento de Angola vem de linhas de crédito e os mercados desempenham um papel residual, quando deveria ser o contrário.

Editorial da edição n.º 494, de 12 de Outubro de 2018, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i