Provisões para perdas potenciais provocam prejuízo de 70 mil milhões Kz ao BNA

Provisões para perdas potenciais provocam prejuízo de 70 mil milhões Kz ao BNA

Dúvidas sobre a recuperabilidade de empréstimos concedidos ao Banco Económico, ao Banco Angolano de Negócios e Comércio e ao Banco de Poupança e Crédito no âmbito de operações de redesconto obrigaram o Banco Nacional de Angola (BNA) a registar perdas por imparidades da ordem dos 300 mil milhões Kz. Auditores aprovaram contas com reservas.

O BNA registou em 2017 um prejuízo equivalente a 70 mil milhões Kz, cerca de 426 milhões USD, o pior resultado do banco central desde 2008, com o conselho de auditoria (CA) e os auditores independentes a apontarem novamente a ilegalidade nos reembolsos dos financiamentos ao Estado e a instituições bancárias públicas e privadas.

Os resultados do exercício de 2017 do BNA estão próximos do "buraco" nas contas do maior banco angolano, o público Banco de Poupança e Crédito (BPC), que em 2017 teve prejuízos de 73 mil milhões Kz (441 milhões USD), naquele que foi o maior prejuízo da história da banca nacional num exercício.

Mas o banco central "destrona" o ex-Banco Espírito Santo Angola (BESA) do segundo lugar dos maiores prejuízos do sector financeiro e bancário, que, com os resultados negativos de 47,3 mil milhões Kz registados em 2014 passa, assim, para o terceiro lugar desta lista.

O relatório e contas 2017 do BNA publicado esta terça-feira, com três meses de atraso, foi aprovado com reservas quer pelo CA, quer pelo auditor independente Ernst & Young (EY.) Durante praticamente todo o exercício, o BNA foi "governado" por Valter Filipe, que deixou o banco central em Outubro, sendo substituído por José Massano.

O CA realça que o conselho de administração do banco central liderado pelo novo governador "adoptou procedimentos que permitiram salvaguardar o valor dos activos e a solvência dos passivos de modo apropriado" no exercício de 2017.

Ainda assim, os conselheiros não excluem a possibilidade de existirem "distorções" que, "individual ou agregadamente" venham a ter impacto material, "relevante e profundo na instituição". (...)

(Leia o artigo integral na edição 496 do Expansão, de sexta-feira, dia 26 de Outubro de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Notícia relacionada:
BNA regista perdas milionárias com activos tóxicos do ex-BESA

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i