Director Carlos Rosado de Carvalho

Inovação em época de crise

Inovação em época de crise

A crise ajuda-nos a perceber a necessidade de gerir melhor e a saber fazer "render os talentos", sentindo assim a necessidade de lhe resistir e inovar, deixando de fazer mais do mesmo.

Considera-se crise toda a situação de mudança, seja ao nível biológico, seja ao nível psicológico ou social, pressupondo um esforço suplementar para garantir o reequilíbrio ou a estabilidade.

A evolução de uma crise pode ser benéfica ou maléfica, dependendo dos factores que a influenciam, conduzindo necessariamente a um aumento da vulnerabilidade e de risco.

Evoluirá, por isso, de forma negativa, quando os recursos materiais e a iniciativa humana de recuperação diminuem. A crise pode, no entanto, ser vista como uma ocasião de crescimento, desde que exista a capacidade e iniciativa suficientes para o reequilíbrio.

A crise evolui, assim, no sentido da regressão, quando não se consegue ultrapassar, ou no sentido do desenvolvimento, quando favoravelmente encarada.

Reflectindo um pouco sobre o significado desta crise, logo percebemos que se trata de um desafio às competências distintivas, um "alinhamento de cabeças e mentalidades", cabeças para pensar e agir de forma inteligente e alinhada (um por todos, todos por um), mentalidades como forma de abertura à inovação e criatividade. (...)

(Leia o artigo integral na edição 500 do Expansão, de sexta-feira, dia 23 de Novembro de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i