Profissional dos créditos

Profissional dos créditos

Esta semana tive a oportunidade de conhecer um profissional dos créditos. Vou tentar explicar. Idade por volta dos 40 anos, parece-me. Fato apertado azul escuro, calças suficiente curtas para percebemos que não usa meias, pulseira de ouro em cima de um enorme relógio, e um lenço branco que sai discretamente do bolso superior esquerdo do casaco. Fala alto e trata todos por "tu". E também fala comigo.

Explica-me que tem uma fazenda de 200 hectares no Bié, que produz batata, e que conhece Luanda como ninguém. Diz que é empreendedor mas que o banco está a complicar o financiamento. Quando tento perceber para que quer o dinheiro, não me consegue explicar. Mas diz-me que foi um amigo que diz ter grandes contactos, que lhe sugeriu que se mudasse a factura pró-forma para um determinado fornecedor português, o financiamento seria aprovado sem problema. Volto a insistir para que quer o dinheiro. Diz que é um sistema de rega, mas não avança pormenores.

Ele sente-se mais à vontade e rapidamente percebo que apesar de insistir que tem 200 trabalhadores na fazenda, raramente lá vai. Empreende a partir da capital. Percebo que também conseguiu um financiamento ao abrigo do Angola Investe, que acabou por não implantar nem reembolsar na totalidade, e que um amigo lhe disse que estava numa lista da central de risco.

Explico-lhe que dessa forma não vai conseguir o financiamento. Não vacila. Não é a primeira vez que lhe acontece isso, e o velho dele que foi deputado, resolve. Diz que também tem um tio que nunca o deixa ficar mal. "Aliás, é ele que me dá estas dicas dos financiamentos".

Com a confiança que ganha, abre mais a sua vida. Estudou sete anos em Londres, mas nunca chegou a formar-se. No entanto trouxe um diploma para encher de alegria o coração da mãe. Trabalha num instituto público, mas pelos vistos não vai lá. Foi o tal tio que lhe arranjou, confessa.

Sobre a fazenda no Bié, nem uma palavra. No entanto sempre vai dizendo que desta vez está a pedir um financiamento de apenas 18 milhões de dólares. Tento perceber afinal quantos financiamentos já conseguiu nos programas de apoio ao empresariado. Diz-me que três, mas que apenas voltou a Angola em 2010. Agora já sou eu a fazer contas...

Somos interrompidos por um funcionário que se apresenta como gestor de crédito, reconhece-me e fala para os dois. "Já vi o seu processo e já falei com o seu tio. Neste momento a administração ainda não libertou as aprovações porque parece que existe um problema de comunicação com o BNA.

No entanto já sabemos que é apenas uma questão de tempo. Dentro de duas/três semanas já deve estar resolvido". Quando tenta mostrar um "maior agradecimento", o outro explica-lhe que já combinou tudo com o seu tio.

Encho o peito de ar e volto a perguntar-lhe qual é o sistema de rega que vai comprar por aquele preço. "Nem sei bem. Mas tenho um papel que o tal português me mandou com a factura pró-forma. Se quiseres mando-te por mail". Não, deixa lá, é a única coisa que me sai. Quando me sento no carro, percebo, conheci um "profissional" dos créditos.

Editorial da edição 533 do Expansão, de sexta-feira, dia 19 de Julho de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i