Director Carlos Rosado de Carvalho

Os afectos de esperança a João Lourenço

Os afectos de esperança a João Lourenço

As eleições de 2017 trouxeram novas esperanças para os angolanos. As promessas eleitoralistas do Presidente, os discursos de investidura e de tomada de posse dos membros do governo mostram a determinação em mudar os paradigmas até há bem pouco instalados.
Toda essa perspectiva discursiva, associada às acções práticas dão essa indicação. A abertura da Campanha Agrícola 2017-2018, no Huambo, e a composição do Executivo Central permitem leituras neste sentido.
Quanto aos governos provinciais, o Presidente João Lourenço privilegia profundamente a continuidade. A nível do governo central prevaleceu também a continuidade, com poucas caras novas. A ideia, ao que parece, é evitar derrapagens fora do centro. É, como diz o povo, jogar no seguro.
O arrojo vertical foi ao nível dos secretários de Estado. Aqui, João Lourenço aposta em jovens tecnocratas, muito pouco expostos à imagem política, a negócios e a outras conotações negativas.
Esses potenciais ministros, como disse o próprio Presidente, parecem sair de uma fornalha de quadros limpos, desenroscados de vícios, politicamente correctos, a quem o País e João Lourenço pretendem delegar uma transição diferente lá mais para a frente. Eles alimentam a esperança dos angolanos para a inversão do passivo.
João Lourenço demonstra, assim, habilidade e dá indicações de que sabe dosear o pragmatismo e o arrojo, preservando os aspectos sensíveis.

(Leia o artigo na integra na edição 445 o Expansão, de sexta-feira 27 de Outubro de 2017, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i