Director Carlos Rosado de Carvalho

Pressão ou depressão

Pressão ou depressão

A qualidade de vida procura-se e só se atinge, quando sabemos lidar com a pressão do dia-a-dia, caso contrário, facilmente entramos em depressões sucessivas, causadoras de efeitos secundários maléficos.

Regra geral, quando estamos em pressão excessiva, libertamos um sentimento de depressão, que poderá desencadear o aprisionamento das nossas potencialidades.
Um estudo realizado pela Organização Mundial da Saúde revela que 128 milhões de pessoas de todo o mundo sofrem com a depressão, causando impactos negativos, tanto na vida do indivíduo, quanto na sociedade.
A competitividade gerada pela sociedade de hoje, por forma a ganhar a maior quantidade de dinheiro possível, acumular património, ter vantagem sobre os concorrentes, inimigos, vizinhos ou colegas, cria um impacto directo em todos os níveis de relacionamento, provocando tensões e desequilíbrios nas relações interpessoais.
A força emocional de experiências vividas no passado causa depressões, fazendo as pessoas viver estados emocionais fortes e, muitas vezes, desequilibrados.
À depressão associa-se, em geral, a ansiedade, estados perturbadores e não desequilíbrios químicos.
O dia a dia, seja no âmbito da família, seja no âmbito da empresa, gera situações de stress e pressão, quase permanentes, em muitos casos conducentes a desentendimentos e mesmo brigas.
O controlo da pressão no trabalho passa pela capacidade de não nos deixarmos absorver pelas energias negativas, que um conflito ou troca de opiniões geram.

(Leia o artigo na integra na edição 456 do Expansão, de sexta-feira 19 de Janeiro de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)


Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i