Director Carlos Rosado de Carvalho

Filha e enteadas nos pagamentos do Estado

Filha e enteadas nos pagamentos do Estado

O Ministério das Finanças apresentou, esta terça-feira, a actualização da estratégia de regularização de atrasados do Estado para com as empresas suas fornecedoras.
A principal novidade é o Estado querer utilizar os atrasados para diminuir o malparado dos bancos públicos. Imagine-se que uma empresa credora do Estado tem um empréstimo malparado junto de um banco público. O Estado paga o atrasado através de uma conta da empresa domiciliada num banco público e logo que o dinheiro cai na conta da empresa o banco público "rapa" a conta.
Uma ideia peregrina que me levanta muitas dúvidas. Na prática, o que o Estado está a fazer é a decidir pelas empresas quem são os seus credores prioritários. Imagine-se uma empresa que tem dívidas aos trabalhadores e quer usar o dinheiro para lhes pagar. Se tiver malparado junto de um banco público não o vai poder fazer, porque o Estado decidiu que o dinheiro é para pagar ao banco público onde tem crédito malparado.
Enquanto se atrasava a pagar a milhares de empresas, o mesmo Estado apressou-se, em 2015, a adiantar a Isabel dos Santos um pagamento que era da responsabilidade da ENDE. De acordo com a Conta Geral do Estado de 2015, neste ano, o Estado entregou à Niara Holdings, empresa da filha do ex-PR, cerca de 18 milhões USD a título de subsídio operacional. Como este tipo de subsídios é destinado a empresas públicas, o Expansão questionou o Ministério das Finanças sobre a razão de ser, ao que a "Mutamba" respondeu que não era propriamente um subsídio, mas sim o adiantamento de um pagamento à empresa Niara relativo ao investimento que a ENDE fez para a aquisição de uma participação na Efacec. Então, o Estado usa dinheiros dos subsídios operacionais para pagar a uma empresa privada a dívida que uma empresa pública tinha para com essa empresa privada? Confesso que não entendo.
Da mesma forma que não entendo a ameaça velada de Isabel dos Santos ao Expansão e aos seus jornalistas caso publicassem que a Niara Holdings recebeu qualquer verba ou dotação do Estado angolano ou OGE.
Ameaça que, obviamente, não impediu o Expansão de fazer machete com a história. À Engenheira Isabel dos Santos dizemos simplesmente que talvez devesse começar por processar o Ministério das Finanças e o Diário da República que publicaram em primeira mão que a Niara recebeu, em 2015, um subsídio operacional de 2.450,8 milhões Kz do Estado. Está na página 1.172 do diário da República de 28 de Fevereiro de 2018.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i