Director Carlos Rosado de Carvalho

Carlos Feijó afasta-se da defesa das causas de Zenú e Isabel dos Santos na justiça angolana

Carlos Feijó afasta-se da defesa das causas de Zenú e Isabel dos Santos na justiça angolana

Chefe da Casa Civil da Presidência na era José Eduardo dos Santos, Feijó, prefere não avançar as razões para uma medida que pode ter como base a salvaguarda da relação com o Governo Lourenço. Escritório de Benja Satula entra em cena.

O jurista e político Carlos Feijó terá recusado defender os dois filhos do antigo Presidente da República, José Filomeno dos Santos e Isabel dos Santos, ambos envolvidos em processos judiciais a decorrer em Angola, encaminhando-os para um escritório de advogados da sua confiança onde são associados Benja Satula e Bangula Quembo, apurou o Expansão.
De acordo com a fonte, o contacto terá sido engendrado recentemente pelo patriarca da família, José Eduardo dos Santos, que pretendia contar com o próprio Carlos Feijó como defensor dos seus filhos.
Figura ligada ao ex-chefe de Estado e Presidente do MPLA durante vários anos, Feijó não só declinou o pedido, para espanto de Isabel e Zenú, como aconselhou-os a solicitar os préstimos de um outro escritório, o da Legis Veritas- Advogados, dos juristas Benja Satula, Bangula Quembo, Ildefonso Manico, Edgar Quessongo, Hermani Cabinda e Osvaldo dos Santos.
A recusa de um homem tido como delfim de José Eduardo dos Santos levanta algumas interpretações, havendo círculos que aventam a hipótese de ter como pano de fundo o facto de Carlos Feijó ser bastante requisitado pelo Governo para a elaboração de diplomas jurídico-legais e para a defesa do Estado angolano em vários processos judiciais.

(Leia o artigo na integra na edição 468 do Expansão, de sexta-feira 13 de Abril de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i