Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Universidade

Crise, pandemia e qualidade colocam universidades à venda

Académicos e directores de instituições de ensino preocupados com o estado da educação

A crise financeira que assola o País desde 2014, o surgimento da pandemia Covid-19 e a quantidade vs qualidade de ensino no país levam proprietários a pôr à as suas universidades e institutos superiores.

O primeiro alerta sobre a venda de uma universidade soou no mês de Agosto do ano passado, quando o proprietário da Universidade Independente de Angola (UNIA), António Burity da Silva, anunciou a venda do seu património.

"Como proprietário único da UNIA, decido o futuro do meu projecto de vida e decidi colocar à venda este património, pois com a idade que tenho não me sinto em condições de viver os sobressaltos actuais que os empresários têm sido obrigados a viver diariamente", explica António Burity da Silva.

O antigo ministro da Educação não avançou o preço da universidade, que conta com cinco faculdades, 22 cursos de licenciaturas e cinco mestrados, além de ter um centro de formação profissional e uma estação de rádio, que se encontra fechada por falta de capacidade financeira para pagar aos funcionários.

À venda está também o Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba (ISPPK), pelo facto de os seus proprietários apostarem noutros negócios fora do ensino, como apurou o Expansão. Isso mesmo confirmou Terêncio Paulino, membro da direcção.

"O instituto está à venda não porque tenha problemas, mas, simplesmente, o seu proprietário e os seus sócios decidiram fazer o traspasse a outra pessoa porque pretendem abraçar ou
tros negócios e por ser também uma pessoa com idade já avançada", explica aquele membro da direcção da instituição.

O responsável, que não avançou o valor da alienação, revelou que receberam a visita de quatro empresários interessados na compra do Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba. O instituto, que continua em construção, tem 12 cursos de graduação, 35 salas de aulas e 80 alunos.

(Leia o artigo integral na edição 639 do Expansão, de sexta-feira, dia 27 de Agosto de 2021, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)