Director Carlos Rosado de Carvalho

Accionistas do ex-BESA acusam Sobrinho de lançar calúnias e difamar

Accionistas do ex-BESA acusam Sobrinho de lançar calúnias e difamar
Foto: D.R.

Em comunicado de resposta à entrevista do antigo PCE do BESA à TPA, "os accionistas" relacionam falência do banco com "erros de gestão" do próprio e "dinheiros que retirou" através de "transferências" para contas suas ou de familiares e amigos. Sonangol e Novo Banco souberam do comunicado pelos jornais.

Accionistas e o PCA do Banco Económico acusam o ex-presidente da comissão executiva do Banco Espírito Santo Angola (BESA), Álvaro Sobrinho, de ter mentido na entrevista que deu esta semana à TPA, na qual afirmou que a instituição bancária faliu por "decisão política", de acordo com um comunicado assinado pelos "accionistas" divulgado quarta-feira, que "relembra" ainda "transferências" de Sobrinho para contas suas ou de familiares e amigos, nomeadamente, a Ocean Private, Wayd Capital ou inovHolding.

"Convindo esclarecer a opinião pública nacional e internacional sobre as afirmações do senhor Álvaro Sobrinho, antigo presidente da comissão executiva do Banco Espírito Santo Angola, numa entrevista concedida à TPA, no dia 11 de Setembro de 2018, os accionistas e o PCA [presidente do conselho de administração] do Banco Económico vêm comunicar que foram veiculadas afirmações falsas e caluniosas sobre a actuação destas entidades", refere o comunicado.

O BE tem como accionistas a Lektron Capital Sa (31%), a Geni Novas Tecnologias (19,9%), a Sonangol (16%), a Sonangol Vida (16%), o Novo Banco (9,7%) e a Sonangol Holding (7,4%). O Expansão apurou junto de uma fonte da Sonangol que a petrolífera nacional apenas teve conhecimento deste comunicado através dos órgãos de comunicação social. O mesmo aconteceu com o português Novo Banco, de acordo com uma fonte em Lisboa. Restam assim a Lektron Capital e a Geni Novas Tecnologias, esta última, uma empresa que Álvaro Sobrinho sugeriu que tinha como accionista o General Leopoldino Nascimento.

De acordo com o comunicado que faz a defesa dos accionistas e do PCA do BE, Paulo Kassoma, o único presidente do conselho de administração que o banco teve até hoje, "Álvaro sobrinho mentiu ao não apresentar os factos tal como eles ocorreram". (...)


(Leia o artigo integral na edição 490 do Expansão, de sexta-feira 14 de Setembro de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)


Notícias relacionadas:
"O BESA faliu por decisão política. Aliás, nem sei se faliu. Existe com outro nome"
BESA já "custou" 438 mil milhões Kz aos contribuintes

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i