Director Carlos Rosado de Carvalho

Arrecadação fiscal não petrolífera deve ficar abaixo do previsto no OGE de 2018

Arrecadação fiscal não petrolífera deve ficar abaixo do previsto no OGE de 2018
Foto: César Magalhães

Se nos últimos quatro meses do ano se mantiver o ritmo de cobrança de Janeiro a Agosto, o ano deverá terminar com 1,6 biliões Kz de impostos não petrolíferos, perto de 7% abaixo do esperado.

As receitas fiscais não petrolíferas nos primeiros oito meses deste ano ficaram 18,4% acima do arrecadado no mesmo período de 2017, fixando-se em 1,1 biliões de Kwanzas, contra os 894 mil milhões Kz encaixados de Janeiro a Agosto do ano passado, mas o valor anual deverá ficar abaixo do valor inscrito em Orçamento Geral do Estado para 2018, de acordo com cálculos do Expansão com base em dados da Administração Geral Tributária (AGT).

Até Agosto entraram para os cofres do Tesouro aproximadamente 1,1 biliões, correspondente a 3,5 mil milhões USD ao câmbio actual. Se em Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro se mantiver o ritmo de cobrança dos oito primeiros meses, o ano deverá terminar com 1,6 biliões Kz de impostos não petrolíferos cobrados, menos 115 mil milhões Kz que os 1,7 biliões Kz inscritos no OGE 2018.

Contas feitas, os dados da administração tributária revelam que a receita de impostos não petrolíferos em 2018 poderá ficar 7% aquém do previsto Orçamento Geral do Estado (OGE). Especialistas em fiscalidade consideram que as projecções do Governo sobre arrecadação fiscal não petrolífera, ano após ano, não têm sido realistas, uma vez que quase sempre os objectivos ficam aquém do previsto nos orçamentos anuais. (...)


(Leia o artigo integral na edição 494 do Expansão, de sexta-feira 12 de Outubro de 2018, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i