Director Carlos Rosado de Carvalho

Bombas solares de água sem pegada ambiental

Bombas solares de água sem pegada ambiental
Foto: D.R.

Uma empresa com oito anos e presente em quatro países vende bombas de irrigação movidas a energia solar para pequenos agricultores. Fabricada na Índia, a bomba ajuda a evitar horas de trabalho e economiza dinheiro.

Em toda a África, pequenos agricultores rezam pelas chuvas que ditam o seu frágil destino económico. Se as nuvens se abrirem conforme esperado, os agricultores podem prover para as famílias, acumularem um excedente e ganharem uma renda extra no mercado. Se as chuvas falharem, os animais não serão alimentados, as mensalidades escolares tornar-se-ão difíceis de pagar e os alimentos poderão ter de ser racionados nos meses seguintes.

Apesar de sustentar a subsistência de milhões de africanos, o sector agrícola do continente continua dependente de chuvas sazonais erráticas. De acordo com o Instituto Internacional de Gestão da Água, a irrigação cobre apenas 7% da área total cultivada da África Subsaariana, que tem cerca de 183 milhões de hectares - a menor proporção de irrigação em qualquer lugar do mundo.

Com o continente na linha da frente das mudanças climáticas, espera-se que as chuvas se tornem cada vez mais esporádicas. De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), isto afectará ainda mais a produção de trigo, arroz e milho africanos. Por isso, há uma necessidade urgente de soluções climáticas sem pegada ambiental para ajudar os agricultores a extraírem, até à última gota, a água das suas terras.

Uma empresa está a fazer progressos. A FuturePump, fundada em 2011 e com equipas espalhadas entre o Reino Unido, Holanda, Quénia e Índia, vende bombas de irrigação movidas a energia solar para pequenos agricultores - os que têm pouco mais de um acre de produção. A bomba, fabricada na Índia e desenvolvida com a ONG holandesa Practica Foundation e a ONG iDE, ajuda os agricultores a evitar horas de trabalho e economiza dinheiro que teria sido usado para comprar combustível caro e sujo para bombas tradicionais. Talvez de maneira mais significativa, a tecnologia liberta os agricultores da dependência das chuvas sazonais ao conceder-lhes a oportunidade de cultivarem produtos fora da estação.

"Cerca de metade dos nossos clientes costumava tentar a irrigação manual, então, para esses, tudo gira em torno das horas poupadas transportando baldes de água ou bombeando água por pedais; e da capacidade de cultivar safras de forma mais confiável e consistente", diz o director-executivo e fundador da FuturePump, Toby Hammond.

"A outra metade costumava usar bombas de gasolina e diesel, então eles estão a economizar dinheiro e emissões por não utilizarem combustíveis fósseis. Do ponto de vista do agricultor, é uma forma de aumentar a sua renda - tratam-se de comunidades de baixa renda e a capacidade de cultivarem o ano todo, particularmente na estação seca ou quando as chuvas não chegam, é um grande atractivo".

A FuturePump afirma que alguns agricultores conseguiram dobrar ou triplicar a sua receita ao eliminar os custos de combustível e cultivar safras fora da estação, e eles geralmente recuperam os seus investimentos em menos de dois anos. E apesar de a tecnologia ser relativamente barata - as bombas solares são vendidas por cerca de 650 USD cada -, muitos dos potenciais clientes da empresa simplesmente não têm esse dinheiro de entrada.

"Um dos problemas fundamentais é que os agricultores em qualquer parte do mundo tendem a ter dinheiro nos períodos de colheita, mas não entre eles. E a grande maioria dos nossos mercados precisa de um plano de pagamento, alguma forma de financiamento ao consumidor", explica Hammond, observando que o financiamento é o maior desafio para aumentar a distribuição do produto. "Pode ser que o investimento se pague com a economia de combustível e o aumento de produtividade em 18 meses, mas isso não significa que o agricultor tenha esse dinheiro na sua mão". A sua empresa obteve êxito ao colocar em prática planos de pagamento para pequenos agricultores.

A empresa espera vender cerca de 4 mil bombas este ano, e também continuar a duplicar as vendas a cada ano, de acordo com seu desempenho nos últimos três ou quatro anos. No entanto, Hammond não tem a ilusão de que as tecnologias sustentáveis ofereçam um caminho imediato para o lucro.

"O próprio espírito da empresa está relacionado com o impacto ambiental e social. Esperamos ser capazes de nos sustentar economicamente e ganhar um pouco de dinheiro, mas esse não é o negócio mais lucrativo para se estar. Estamos a vender novas tecnologias para pessoas de renda muito baixa em mercados muito difíceis", afirma ele.

De facto, no início, a empresa dependia em grande parte de doações do Departamento de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido e da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) para expandir o seu alcance. Mas Hammond acredita que a FuturePump está agora à beira do crescimento sustentável.

"Estamos muito menos dependentes desse apoio e acho que até ao final deste não seremos mais, mas não teria sido possível fazer o projecto descolar sem esse apoio financeiro", esclarece o director-executivo e fundador da FuturePump, acrescentando: "Os doadores estão a reconhecer que se trata de algo útil no qual investir, porque, se os números estiverem correctos, podemos causar um impacto sem precisarmos de mais dinheiro."

À medida que o impacto das mudanças climáticas continua a aumentar, soluções climáticas sem pegada, como as bombas solares, provavelmente se tornarão cada vez mais atraentes aos investidores e clientes. Desde que haja financiamento adequado, a bomba solar poderia ajudar a livrar agricultores em todo o mundo da maldição da escassez de água.

(artigo publicado na edição 510 do Expansão, de sexta-feira, dia 8 de Fevereiro de 2019, disponível em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)


Solutions&Co

Nota: Pelo segundo ano, o Expansão integra o projecto Solutions&Co que, este ano, arrancou a 3 de Dezembro, data de início da COP 24, Conferência das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas. Durante várias semanas, divulgamos projectos empresariais amigos do ambiente de vários países.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i