Director João Armando

"Dinheiro aplicado nas tecnologias tem retornos avultados"

"Dinheiro aplicado nas tecnologias tem retornos avultados"
Foto: Lídia Onde

O projecto "Meu Kamba" recebeu mais um prémio internacional e continua a levar computadores às escolas, apesar da crise económica. Francisco Xavier Pedro diz que o projecto alcança 36 354 alunos que usam mais de 7 mil computadores em 12 províncias.

Em Março de 2019, o projecto "Meu Kamba" recebeu o prémio "Programa de Qualidade e Reconhecimento de Liderança", na categoria "Diamante". O que levou à vitória?
Na "Convenção de Paris 2019", tivemos (a equipa Meu Kamba) a honra de sermos reconhecidos, em nome de Angola e da Companhia Nacional de Computadores e Sistemas de Informação [organismo tutelado pelo Ministério do Ensino Superior, da Ciência, Tecnologia e Inovação], pelo nosso compromisso com a qualidade, liderança, tecnologia e inovação na procura contínua pela excelência.

Já é o terceiro ano consecutivo a receber prémios internacionais...
Em 2017, recebemos o "Star for Quality" em Genebra, "Arch of Europe pela Qualidade", em Frankfurt 2018, e finalmente no podium da "The World Quality Commitment Convention de Paris 2019", recebemos o prémio "The BID Quality, Excelence and Leadership", na categoria Diamante. Nos últimos 33 anos, o Business Initiative Directions (BID), que engloba 179 países, liderado por profissionais qualificados provenientes do mundo académico, do mundo dos negócios, do sector de engenharia e empresas , compromete-se a reconhecer anualmente, os feitos das personalidades e instituições com destaque na qualidade, liderança, processos e contínua melhoria dos produtos, no âmbito da Inovação, competitividade e Tecnologias de Informação.

Prefere que o reconhecimento pelo vosso trabalho venha de fora ou de dentro?
Penso que qualquer ser humano ficaria muito feliz se o seu trabalho fosse reconhecido, em primeiro lugar, em casa. E depois fora. No nosso caso foi o inverso. Mas acredito que isso não tardará. A tecnologia é a grande alavanca para o sucesso e o crescimento de um país. Eu nisto acredito! E acredito na equipa Meu Kamba.

Em quantas províncias é que o "Meu Kamba" já está, até ao momento?
A iniciativa "Meu Kamba" está implementada em 12 províncias, nomeadamente Zaire, Bengo, Uíge, Luanda, Cuanza Sul, Huambo, Bié, Lunda Sul, Huíla, Namibe e Cuando - Cubango. Isto traduz-se em mais de 7 056 computadores instalados, contemplando uma população escolar de 36 354 alunos e mais de 451 professores formados.

O investimento no projecto foi sendo actualizado?
A depreciação do kwanza e a crise das divisas tiveram um impacto na derrapagem do investimento inicial, os preços internacionais dos componentes para a montagem dos computadores alteraram-se e tudo isto exigiu de nós uma actualização e um redimensionamento permanente do projecto.

A crise interfere, de alguma forma, na realização dos vossos projectos? E de que maneira eles são afectados?
No momento actual, a crise não deixou incólume os projectos, as iniciativas e, em certos casos, até mesmo os sonhos foram afectados. A crise afectou a nossa iniciativa, por causa da depreciação do Kwanza, por causa da crise das divisas, uma vez que todas os componentes para a montagem dos nossos computadores, quadros interactivos e outros equipamentos são importados. Tal como um rio produz energia eléctrica quando encontra um obstáculo que se chama "barragem", também nós acreditamos que a crise é uma oportunidade para o crescimento individual das empresas e da nação angolana.

As TIC são essenciais para o desenvolvimento de qualquer país. O projecto recebe a devida atenção? Se não, o que falta?
Sentimos que cada actor valoriza o projecto à sua maneira e de acordo as circunstâncias e objectivos institucionais. Sentimos ainda que, muitas vezes até, não temos respostas suficientes para a procura. Sentimos igualmente a dificuldade que os parceiros encontram, em termos de financiamento destas iniciativas. Acreditamos que o dinheiro aplicado nas tecnologias de ensino é um dinheiro investido com retornos avultados.

Vida entre a gestão, acção pastoral e docência universitária

Natural de Seles, Cuanza Sul, Francisco Pedro, além de gestor do projecto "Meu Kamba", é professor universitário e presta serviço de acção pastoral. Licenciado em Economia, em Angola, tem o doutoramento em Economia, feito em Portugal, o mestrado em Ciências Jurídico-Económicas e um mestrado em Governação e Gestão Pública, feito em Angola. Tem ainda, como formação académica, o curso superior de Filosofia e Teologia, feito em Roma, Itália.

Nos tempos livres, dedica-se à prática de artes marciais - Jiu Jitsu e Muay Thai - à leitura, meditação e a ouvir música clássica. Tem em carteira várias iniciativas. Para além da internacionalização do projecto "Meu Kamba" Francisco Pedro prepara o lançamento, em 2020, de vários livros da sua autoria: "Business Intelligence - Perspectiva de Curto Prazo"; "Business Intelligence - Perspectiva de Longo Prazo"; "Ajuda-te a Ti Próprio" e a "Nulidade Matrimonial: A Solução para os Matrimónios Erradamente Contraídos".


(entrevista publicada na edição 519 do Expansão, de quarta-feira, dia 12 de Abril de 2019, disponível em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i