Mudámos de rota?

Mudámos de rota?

O conhecimento dos factos não implica obrigatoriamente que não se voltem a repetir. Mas quero acreditar, tal como a nossa entrevistada desta semana, que o País não voltará a ser o mesmo. O que temos sabido através das declarações em julgamento dos casos mais mediáticos, dos relatórios publicados por algumas instituições, e do cruzamento da informação que vamos recebendo de algumas pessoas que se mantiverem caladas durante muito tempo é, no mínimo, "chocante". Mas aquilo que verdadeiramente me preocupa é se realmente chegámos ao fim deste caminho. Se mudámos de rota.

O verdadeiro desafio é a produtividade. E isso tem a ver com uma nova mentalidade. Temos que ser rigorosos na análise da prestação profissional dos nossos governantes para que possamos exigir o mesmo dos nossos colaboradores.

E temos que admitir que sejam rigorosos connosco. Não devia valer mais promover o sobrinho do membro do comité central em detrimento do filho da zungueira do Rangel, independentemente da sua prestação diária na organização. Aliás, a meritocracia é um conceito muito falado nos últimos tempos, mas o que realmente interessa é quem define os critérios dessa avaliação, e não menos importante, quem avalia.

Temos a economia toda atrofiada e não temos que ter medo das palavras. Os monopólios que foram criados de forma artificial afastaram os empresários empreendedores, e criaram uma nata de "políticos- empresários", que na sua maioria estão apenas habituados a viver das benesses, do património e do dinheiro do Estado, mas com poucos hábitos de cumprir as suas obrigações num mercado concorrencial.

Mas pior, consideram-se insubstituíveis, e acham que esta crise ajuda ao reconhecimento da sua importância, e por isso não estão nada empenhados na mudança. Mudaram um pouco a linguagem, mas quando são chamados a prestar contas, mostram a arrogância que sempre os caracterizou. Mas isso seria o menos. O pior é que as suas organizações, na maior parte, são improdutivas e desajustadas. Só garantem emprego, mas não geram riqueza. E é com esta importância social que se vão mantendo.

O apelo é que se aproveitem agora estas novas linhas de financiamento, não para alimentar os mesmos, mas que novos empreendedores tenham a possibilidade de desenvolver os seus negócios. Para que possam tomar o lugar, pouco a pouco, da responsabilidade social que estes do passado ocupam, gerando ao mesmo tempo mais-valias para a nossa economia.

E o Governo deve apoiá-los com aquilo que é o seu papel - que todos tenham oportunidades, obrigações e incentivos iguais. Basta isso e poderemos ver emergir uma nova classe empresarial. Que é muito urgente para a mudança que se exige no País. O desafio é mais do que político. É económico.

Editorial da edição 532 do Expansão, de sexta-feira, dia 12 de Julho de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i