Prodesi tem novo folêgo

Prodesi tem novo folêgo

A Economia e a Agricultura têm novos ministros. Dois sectores que suportam o Prodesi, a solução governamental para a diversificação económica e para o crescimento do País. A responsabilidade da fraca velocidade a que este está a andar foi então atribuída a Marcos Nhunga e Pedro Luís da Fonseca, e já agora, também a Alcino Izata da Conceição, que fazia a ligação destes ministérios a Manuel Nunes Júnior, o "chefe" da equipa económica do Governo.

Pelo que fomos apurando ao longo das últimas semanas, o cumprimento das metas que constam do plano obrigam a reuniões interministeriais regulares, tem havido dificuldade em que todos se façam representar ao mesmo tempo, e ainda assim, depois falta dinheiro e meios para desenvolver as medidas preconizadas. Ou seja, a culpa é de todos e a culpa não é de ninguém.

Outra das questões que não se pode esconder é o mal-estar que existe entre os representantes dos vários ministérios, e neste aspecto as queixas vão quase sempre em direcção do Ministério das Finanças. Mantendo aquele estatuto de "super ministério", não gostam de ser contrariados, e ouvimos de alguns que se são contrariados nestas reuniões, surgem depois os problemas para a gestão do dia-a-dia nas suas instituições, as verbas não chegam, "e às vezes até falta papel".

Tal como nas equipas de futebol, também no Governo é necessário que exista um bom ambiente em campo para conseguir ganhar. E neste aspecto parece que as coisas não estão a correr lá muito bem.

Vários jogadores que acham que devem ocupar o mesmo lugar, queixas que o treinador protege alguns dos seus craques e que nesta altura não são os mais produtivos em campo, falta de execução no terreno das jogadas predefinidas nos treinos, são exemplos que "torpedeiam" a solidariedade em campo. Agora, com duas substituições cirúrgicas na equipa, podemos apurar que até ao final de Setembro poderão ocorrer mais duas/três alterações, é de prever que as coisas melhorem, e que na verdade o Prodesi possa andar mais rápido.

O BNA também entrou em campo e convocou os oito bancos protocolados no PAC para avisar que o programa é mesmo para cumprir, e que não vale a pena virem com as desculpas habituais da falta de garantias, da falta de histórico, no fundo, das faltas de qualquer coisa. Aliás, saúde-se um maior envolvimento do BNA no seu papel de órgão regulador, disciplinando um sector que sempre se habituou a andar à vontade.

Resumindo, muita coisa mudou em apenas uma semana no que concerne ao apoio que é necessário dar para o desenvolvimento do Prodesi. Estão aí os sinais. Veremos se na prática resultam. Por agora um intervalo neste jogo para ver se os novos jogadores e a nova mentalidade permitem avançar mais rapidamente.


Editorial da edição 534 do Expansão, de sexta-feira, dia 26 de Julho de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i