Confiança económica

Confiança económica

As privatizações voltaram a trazer para a mesa a tal variável que não vem nos manuais de economia, mas que é essencial para o investimento - a confiança. Esta pode ser analisada sob duas perspectivas, mas que não podem ser confundidas.

A política, que tem a ver com discursos e processos de intenção, e a económica, que tem a ver com o ambiente de negócios e medidas concretas. Se relativamente à primeira, as coisas parecem bem encaminhadas, em termos internos acredita-se que o ambiente político está a mudar e de vários parceiros internacionais têm chegado elogios, relativamente à segunda, as coisas não estão tão "brilhantes".

Os empresários nacionais multiplicam as queixas - excesso de burocracia, perseguição fiscal, acesso muito difícil ao crédito, falta de regularização dos atrasados por parte do Estado, entre outras. Junta-se a depreciação do kwanza, que encarece a importação dos factores de produção.

Sobre os empresários estrangeiros, a verdade é que não aumentou o número de investidores interessados em trazer os seus negócios para Angola. Há um cepticismo por parte das representações diplomáticas sediadas na capital, que é passado aos seus investidores, criando uma ideia de "esperar para ver". O poder político internacional aprova a "Nova Angola", o poder económico observa de longe.

Por isso, quando falamos de privatizações, deve o Governo agora ir à procura de conquistar a confiança dos investidores internacionais, pois estamos todos de acordo que a poupança angolana ou sediada em Angola não é, nem de perto nem de longe, capaz de assegurar o capital necessário para estas 195 operações que estão previstas no PROPRIV. Esta confiança só se ganha com uma postura de rigor e transparência.

Rigor quando se cumpre aquilo que se promete nos prazos agendados, transparência, quando se afastam práticas que estão fora das regras internacionais de compliance. Coisas simples, parece, mas que anos e anos de posturas duvidosas e questionáveis não ajudam em nada. Porque em muitas instituições as pessoas são as mesmas, e quando menos se espera, ou quando os seus interesses estão em causa, voltam os esquemas. Não é nada fácil mudar habitações que têm telhados de vidro. Mas é possível. Pelo menos eu acredito. Mas será que os investidores lá fora também acreditam?

Por isso, parece cada vez mais importante a diplomacia económica, que deve centrar os seus esforços nos países do continente africano, onde a nossa imagem e a confiança em Angola são menos questionadas.


Editorial da edição 538 do Expansão, de sexta-feira, dia 23 de Agosto de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i