Dívidas à ENDE já ultrapassam os 100 mil milhões de kwanzas

Dívidas à ENDE já ultrapassam os 100 mil milhões de kwanzas

Os dados são de quinta-feira. A dívida acumulada pelos clientes da ENDE ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 100 mil milhões de kwanzas. 30% deste valor são de instituições públicas, e cerca de 65% corresponde à província de Luanda. O desafio é recuperar este valor, mas também evitar que continue a crescer. A empresa diz que vai avançar com medidas mais duras.

As dívidas acumuladas dos clientes à ENDE ultrapassaram este mês de Agosto os 100 mil milhões kwanzas. Cerca de 30% deste valor, quase 35 mil milhões são de instituições públicas, um valor similar para os particulares, entre 20 e 25% provém do mercado empresarial de clientes de média e alta tensão, com postos de transformação (PT), e cerca de 15% de empresas privadas com corrente de baixa tensão.

As dívidas de Luanda ultrapassam os 65 mil milhões de kwanzas, uma fatia muito importante deste bolo, seguindo-se Benguela, 7,6 mil milhões, Huíla com quase 5,5 mil milhões e Cabinda, 4,7 mil milhões. As províncias mais cumpridoras são o Cuando Cubango, apenas 446 milhões, e o Moxico, um pouco mais de 463 milhões.

Um valor enorme que continua a crescer todos os meses, como explica o director comercial da empresa, Marcos Balanca. "Nesta altura temos uma taxa de cobrança mensal que ronda os 80% dos fornecimentos e uma percentagem na recuperação dos atrasados entre os 7 e os 10%. O que em termos práticos significa que a dívida total cresce todos meses".

E acrescenta ainda: "Mas a situação hoje é muito melhor que no passado. Quando nasceu a ENDE, em 2015, a cobrança face à facturação em Luanda era de apenas 50%, e nas províncias praticamente ninguém pagava. Esse tempo acabou. Estamos muito empenhados na recuperação das dívidas, e acreditamos que conjuntamente com a estratégia da instalação dos contadores pré-pagos, vamos mudar este quadro com alguma rapidez".

A instalação dos contadores pré-pagos evita o aumento da dívida, sendo que para aqueles clientes que tinham valores em atraso, é-lhes descontado 35% do carregamento para pagar as dívidas. Por exemplo, se um cliente for fazer um carregamento de 1.000 kwanzas, 650 são efectivamente para carregar o seu sistema e 350 vão para descontar na dívida.

"Esta é também uma fórmula de ir recuperando os valores atrasados", explica. Acrescente-se que a ENDE tem um plano já autorizado para a aquisição de 500 mil contadores pré-pagos, sendo 7.000 serão contadores para clientes de média e alta tensão, com um sistema inteligente, capaz de controlar os consumos e possíveis tentativas de fraude.

"Os esforços de recuperação da dívida junto dos consumidores particulares passa também por melhorar a imagem da empresa e fidelizar os clientes. Por isso temos promovido inúmeras acções de sensibilização e palestras junto das populações", explica Marcos Balanca. (...)


(Leia o artigo integral na edição 539 do Expansão, de sexta-feira, dia 30 de Agosto de 2019, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i