O IVA vai mesmo avançar

O IVA vai mesmo avançar

Parece que é desta que o IVA vai mesmo avançar. A data está marcada, 1 de Outubro. Não é que o País esteja já preparado ou que a confusão na AGT tenha passado. Ou mesmo que a maioria das empresas estejam preparadas. Ou mesmo que já tenhamos uma rede de internet capaz de garantir as submissões electrónicas a nível de todo o território. Ou mesmo que os envolvidos saibam exactamente o que fazer. Ou mesmo que alguém acredite que as receitas fiscais vão aumentar.

Mas vai avançar. O FMI também não nos deixa recuar, e não vale mais a pena discutir a oportunidade de implantação, se o tempo deve ser este, se faz algum sentido implantar um novo imposto apenas a três meses do ano fiscal para a maioria das empresas aderentes. Aliás, arrisco mesmo dizer que estes três meses que faltam para o final de 2019 serão o treino de um jogo que começa a sério no próximo mês de Janeiro.

E o treino começa dentro das empresas, pois muitas estão habituadas a juntar as facturas e enviar no final de cada mês para o contabilista, e agora vão ter que registar no sistema diariamente para manterem actualizada a conta corrente do imposto. Muitas vão perceber que serão obrigadas a ter alguém só para esta tarefa específica, mas enquanto percebem e não percebem, vão sentir-se "perdidas".

E aqui entra, possivelmente, o mais importante factor para o sucesso de implementação do IVA, a forma como a AGT se vai portar. Se mantiver uma postura altiva e arrogante que muitas vezes manifesta na sua relação com o contribuinte, então a confusão será enorme. Se optar por explicar aos seus técnicos que devem ser didácticos e compreensivos, colaborar na resolução dos problemas práticos que se irão colocar no dia a dia, poderão também recuperar algum capital de confiança junto dos cidadãos e contribuir para o crescimento das empresas.

Parece que estou a ver as empresas a quererem submeter as suas declarações mensais, a internet não funcionar ou o sistema da AGT não aguentar com o volume de informação, e depois aparecer um jovem técnico a querer cobrar juros de mora à organização. Mas também estou a ver um técnico, dando conta que existe atraso na entrega das declarações, ligar de forma educada para a empresa a saber o que se passa. E a sugerir uma solução para que a empresa regularize a situação.

O que pretendo dizer é que o sucesso da implementação do IVA vai depender das acções dos homens. Daqueles que estão num e noutro lado desta cadeia. Claro que a tecnologia tem um papel muito importante neste processo, mas será a postura das pessoas que será decisiva. Por isso têm todos que se entender e assumir que nesta história não há "nem polícias nem ladrões". Apenas cidadãos angolanos com papéis e funções diferentes.


Editorial da edição 542 do Expansão, de sexta-feira, dia 20 de Setembro de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i