"Já temos no mercado de trabalho graduados em artes plásticas"

"Já temos no mercado de trabalho graduados em artes plásticas"
Foto: Adjali Paulo

Na mais recente exposição, "Idiossincrasias", revela o corpo feminino nu em desenhos ousados. O artista e Director Nacional de Intercâmbio Internacional acredita que a formação artística no País está no bom caminho e que a arte pode contribuir para gerar empregos.

Como foi preparar a exposição "Idiossincrasias", que reúne 40 obras?
Fui fazendo ao longo de um ano de produção em atelier. Fui observando o caminho que certas obras estavam a tomar e cheguei ao conjunto de obras patentes na exposição.
São 20 obras de pintura em acrílico sobre tela e outras 20 de desenho em carvão e grafite sobre papel. O que mais o desafiou?
O que mais me desafiou foram as pinturas. Elas são a desconstrução à procura da simplificação e da depuração na tentativa constante de chegar à essência daquilo que me define como ser humano e criador. Os desenhos partem de exercícios académicos imbuídos de muita técnica e disciplina e um grande rigor e conhecimento académico teórico e prático.
Que comentários ouve sobre os desenhos em carvão e grafite sobre papel que reflectem o corpo feminino?
Oiço comentários relacionados com a minha coragem e ousadia ao apresentar o corpo tal como ele é. Nu, despido, sem amarras, vulnerável e tão belo. Tenho consciência de não ser muito normal este tipo obras expostas, tendo em conta que foram executadas a partir do real, com modelos que posaram ao vivo.
Disse que "Idiossincrasias" é um assumir do seu "eu" sem subterfúgios. De que forma?
Remeto sempre à questão do processo de ensino-aprendizagem pelo qual todos passamos. Foco-me na escrita e na caligrafia. Aprendemos de uma determinada forma e mais cedo ou mais tarde fugimos da norma e inclinamo-nos para a nossa única e irrepetível caligrafia. É a nossa impressão digital. É o assumir do indivíduo. Para esta exposição limitei-me a aceitar os processos e as formas vindas de mim, assumindo-as como idiossincráticas. Não poli, não melhorei, não adulterei.

(Leia o artigo na integra na edição 544 do Expansão, de sexta-feira 04 de Outubro de 2019, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i