Banco Económico com "luz verde" para reforçar participação na Tranquilidade Seguros de Angola

Banco Económico com "luz verde" para reforçar participação na Tranquilidade Seguros de Angola

Portuguesa Seguradoras Unidas vai desfazer-se da sua participação na companhia angolana, depois de ter chegado a acordo com BE e outro "investidor local" no final de 2018.

A Autoridade Reguladora da Concorrência (ARC) deu "luz verde" à compra pelo Banco Económico da participação da portuguesa Sociedades Unidas na Tranquilidade Seguros de Angola, o que permite à instituição bancária ficar com a maioria de capital da seguradora.

De acordo com o chefe de Departamento de Controlo de Estrutura de Mercado e Concorrência da ARC, Inocêncio Muachingue, esta operação "mereceu decisão favorável" e sem imposição de condições. "A análise jus-concorrencial da operação evidenciou não existir, nos mercados relevantes identificados, a probabilidade da operação ser susceptível de criar entraves à concorrência efectiva.

Seguradoras Unidas é uma companhia de seguros portuguesa que resulta da fusão de várias companhias de seguros (entre elas a Tranquilidade Seguros) a 30 de Dezembro de 2016, e que no final de 2018 chegou a acordo com o Banco Económico e outro "investidor local" para alienar a sua participação na Tranquilidade - Corporação Angolana de Seguros, de acordo com o relatório e contas 2018 da Seguradoras Unidas.

Este era um dos quatro processos que a ARC tinha por apreciar, conjuntamente com os processos que envolvem uma parceria entre a Sonangol e a Total, bem como a venda do VTB-África e a compra da ADVAngola pela TPA Investimentos. (...)


(Leia o artigo integral na edição 545 do Expansão, de sexta-feira, dia 11 de Outubro de 2019, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i