Discurso positivo

Discurso positivo

Em entrevista nesta edição, Luís Lelis define a actual situação económica desta forma: "Estamos no meio do olho da tempestade perfeita". E justifica a turbulência com o alto endividamento, reservas líquidas internacionais baixíssimas, inflação muito alta, famílias a perder os empregos, empresas a fechar.

Na verdade, o barco está a abanar, mas não podemos correr o risco de nos deixarmos ir ao sabor das ondas, que, por vezes, embora desconheça muitos dos ventos, me dá a sensação que está a acontecer. Uma posição mais reactiva que proactiva, se me faço entender.

Obviamente que todos temos de estar atentos a esta viagem, é muito complicada e não vale a pena fingir que desatar este nó da nossa economia será fácil, mas também é extremamente desafiante. Tal como foram outros momentos da nossa História, em que os becos pareciam hermeticamente fechados, mas na verdade tinham uma pequena abertura, por onde acabámos por passar. E desta vez não vai ser diferente.

Por isso começa a incomodar-me um discurso público fatalista que se repete em muitos locais, como se estivéssemos à beira do abismo sem qualquer solução. Não é verdade. Pode demorar mais tempo do que as nossas expectativas exigem, pode não ser da forma que sonhámos, podemos inclusive ter de entregar alguns dos nossos anéis, mas ainda não é desta que este "estabelecimento" vai fechar.

E tudo começa em nós. Primeiro fazer o melhor que pudermos, depois ter um discurso positivo e, a finalizar, manter o sentido crítico para que nunca mais se repitam as situações que aceitámos com o nosso silêncio. Hoje temos de perceber que somos todos responsáveis por esta situação que vive a nossa economia. Pelo menos os mais velhos, os que viveram as diversas etapas por que passou o nosso País, que sofreram nos momentos maus, mas que também beneficiaram nos momentos de fartura.

Acredito que existe uma massa de gente, até agora anónima, que começa a aparecer com disposição suficiente para marcar a sua posição, com boa cabeça e bom coração, que no limite vai contribuir para um País melhor. Por vezes, reaparecem em cena alguns dos actores de outros filmes e isso pode ser desmoralizante. Prefiro olhar para as mudanças que nunca mais voltarão para trás.

Sem parecer excessivamente optimista, parece-me que somos capazes de construir uma nova Angola. Todos. Mesmo aqueles que, nesta altura, estão um pouco irritados por terem perdido os seus privilégios. Vai-lhes passar e, se quiserem ajudar, vão acabar por ser bem-vindos. Se quiserem trilhar os seus passos por outros caminhos, então que o façam sem olhar constantemente para trás.


Editorial da edição 552 do Expansão, de sexta-feira, dia 29 de Novembro de 2019, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i