Terceiro operador móvel começa a funcionar em Fevereiro 2021

Terceiro operador móvel começa a funcionar em Fevereiro 2021
Foto: D.R.

Este é o primeiro passo de uma estratégia do Governo para acabar com o "monopólio" do sector associado aos interesses económicos de Isabel dos Santos e do General Dino. Seguem-se a alteração do capital social da Movicel, conseguir a maioria na Unitel e fechar o concurso para o 4.º operador.

Angola terá uma terceira operadora móvel a funcionar a partir de Fevereiro de 2021, de acordo com o cronograma estabelecido com a Angorascom Telecomunicações a quem foi entregue a concessão. Esta entrega foi feita por Despacho Presidencial n.º 193/19 e publicado em Diário da República no passado 5 de Novembro, utilizando uma prerrogativa contemplada no enquadramento jurídico angolano, e que atribui ao Presidente da República a possibilidade de adjudicação directa. Uma figura da lei que foi utilizada muitas vezes pelo anterior governo relativamente a outras concessões de serviços e obras estruturantes.

Este é apenas um dos passos da estratégia do Governo para acabar com o monopólio dos interesses económicos representados por Isabel dos Santos e do General Dino nas comunicações móveis, que tinham a maioria do capital das duas empresas que operam no nosso mercado, Unitel e Movicel.

Os outros passos são a compra da participação da ONI na Unitel, reformulação do capital social da Movicel com a entrada do INSS e da Vodafone, e o concurso público para a 4.ª licença. Este dossier que está a ser gerido com bastante cuidado e ao nível da presidência, porque não se trata apenas de uma questão económica, mas tem também em atenção as componentes políticas e de segurança de Estado.

A Angorascom tem atrás o empresário egípcio Naguib Sawiris, dono da Orascom Telecom Media Technology Holding que, de acordo com o ranking Forbes 2019, é o sétimo homem mais rico de África com um património líquido de 4 mil milhões de dólares.

Os primeiros contactos terão acontecido no Cairo, no início do ano, sendo que o empresário veio a Luanda duas vezes falar pessoalmente com João Lourenço e outros governantes, onde manifestou o seu desejo de investir em Angola, nomeadamente nas telecomunicações que é o seu principal negócio no Egipto. (...)


(Leia o artigo integral na edição 553 do Expansão, de sexta-feira, dia 6 de Dezembro de 2019, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i