Méritos partidários

Méritos partidários

Pedro Godinho levanta, em entrevista nesta edição, uma questão que deve ser discutida de forma aberta e descomplexada - o facto de se escolher os governantes e os gestores públicos pela camisola partidária que vestem é, claramente, um factor inibidor do desenvolvimento do País.

Esta ideia de que o sucesso social e profissional em Angola depende de uma inscrição no CAP e de um cartão de militante, mensagem que é absorvida pelos mais jovens, causa distorções a dois níveis - normalmente afasta os mais capazes, que acabam por ir trabalhar para o estrangeiro, e premeia os mais bajuladores, que fazem de tudo para manter os seus privilégios. É impossível implantar um sistema com base na meritocracia quando os critérios de avaliação são partidários. Porque é que alguém para ser ministro tem de ser do comité central? Porque é que gerir uma empresa pública é um prémio pela envolvência política?

Não será certamente na minha geração, mas espero que na próxima se possa explicar aos mais novos que a competência, o conhecimento, o profissionalismo, são factores diferenciadores do sucesso. Mas mais importante, que se dêem exemplos concretos desta forma de agir, porque não vale a pena anunciar que se combate o nepotismo e depois deixa-se que por tudo e por nada nos façam elogios despropositados, que para além de alimentarem o ego, não servem para mais nada. Porque são isso mesmo, despropositados.

Muito se fala dos tempos novos que se vivem no País, mas também é momento de se mudarem as práticas. Algumas vêm dos anos 80, foram potenciadas nos anos 90, e já neste século foram assumidas como normais, sendo que, nos últimos anos do anterior governo, tornaram-se mesmo motivo de orgulho para quem as fazia. Nasceu mesmo uma nova ciência, a "ciência da sábia orientação". Por momentos, parecia que ia haver alterações, mas rapidamente se percebeu que, dificilmente, nesta geração, haverá mudanças. Custa-me muito ver esse constante culto da personalidade feito por aqueles que se queixam do passado, mas que o repetem sempre que têm oportunidade.

E isso deve-se exactamente ao que falámos no início do texto. Não premiar os mais competentes, mas os mais subservientes, porque o sucesso social e profissional continua a depender de critérios partidários. Parece uma roda difícil de quebrar, que só poderá alterar-se quando quem decide tiver a coragem de pôr esses bajuladores na ordem. E passar a escolher os seus quadros pela capacidade intelectual e técnica. Vai dar mais trabalho, porque quem pensa tem opinião, mas o País sairá a ganhar certamente.

(Editorial da edição 566 do Expansão, de sexta-feira, dia 20 de Março de 2020, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i