2020 arranca com inflação mensal mais alta em 16 meses

2020 arranca com inflação mensal mais alta em 16 meses
Foto: César Magalhães

Os preços a nível nacional subiram 2,05% em Janeiro, a taxa mais alta desde Setembro de 2018, apesar de em Novembro do ano passado se ter assistido a um aumento abrupto dos preços devido à desvalorização cambial, que não foi reflectido na altura nos dados do INE, o que gerou muitas dúvidas.

O custo de vida a nível nacional aumentou 2,05% em Janeiro face a Dezembro de 2019, o valor mais alto em quase ano e meio, revela o Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN) do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgado na semana passada com um atraso de mais de um mês. Foi também publicado o índice sobre Fevereiro, que desacelerou para 1,72%.

Há um mês o INE revelou que a divulgação do relatório sobre Janeiro iria sair com atraso, uma vez que já iria incluir uma alteração ao período de base que resultou do Inquérito sobre Despesas e Receitas (IDR), realizado de Março 2018 a Fevereiro 2019, que providenciou os dados para a composição da nova estrutura dos ponderadores e do cabaz de produtos do IPCN.

A "nova estrutura de ponderação para o IPCN é de extrema importância pois a actual (2008/2009) já não representa a realidade do consumo das famílias que data de 12 anos", revela o relatório. O período base agora definido é Dezembro 2014, depois de numa fase inicial o INE ter definido 2018, sendo esta uma das razões também para o atraso nas publicações já que o Ministério da Economia entendeu que esse foi um ano em que ocorreram várias transformações no País, a viver já a sua terceira recessão, obrigando a que o período definido fosse 2014.

Assim, em Janeiro o IPCN registou uma variação de 2,05% face a Dezembro, tratando-se do pior arranque da inflação desde 2017. Das 12 classes que compõem o cabaz que serve de base ao cálculo do IPCN em Luanda, a Educação foi a que registou o maior aumento de preços, 32,87%. O que até não constitui grande surpresa (a não ser o valor 32,87%), porque aumentou a procura de material didáctico com o início do ano lectivo. Depois da Educação, as classes cujos preços mais aumentaram foram as da Alimentação e Bebidas não Alcoólicas (1,96%), Bebidas Alcoólicas e Tabaco (1,75%) e Lazer, Recreação e Cultura (1,75%).

Face a Janeiro de 2019, a inflação homóloga caiu 0,52 pontos percentuais para 17,95% em Janeiro deste ano. As províncias que registaram maior aumentos mensais de preços foram: Bengo com 2,93%, Huila com 2,77%, Cuando Cubango com 2,60% e Cuanza Sul com 2,33%. As províncias com menor variação foram: Bié com 1,36%, Lunda sul e Namibe com 1,42% cada e Luanda com 1,84%. (...)


(Leia o artigo integral na edição 567 do Expansão, de sexta-feira, dia 27 de Março de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i