Oportunidades

Oportunidades

Já passaram 50 dias de estado de emergência. Limitações na mobilidade, limitações nas liberdades pessoais, limitações na actividade económica, limitações nos beijos e limitações nos abraços.

Limitações também nos kwanzas, limitações nos gastos, limitações nas festas de aniversário dos filhos, limitações nos passeios na marginal, limitações nas "visitas" de sexta-feira e limitações nas idas ao futebol. Limitações em coisas que, afinal, não nos faziam falta, limitações nas vaidades diárias, limitações nas perdas de tempo com gente que não vale a pena e limitações nos sonhos que nunca lutámos para concretizar.

Mas também de melhorias e oportunidades. Enquanto alguns se sentam na berma do caminho com as mãos elevadas aos céus a pedir "santa ajuda", outros arregaçam as mangas e aproveitam o momento. Curioso ver como alguns negócios estão a crescer na cidade com o balanço dos tempos difíceis da Covid-19, e como outros vêem desaparecer entre os dedos empresas que todos pensavam ser inquebráveis. E isto também a acontecer com as pessoas.

Nunca se investiu tanto no sector da saúde, nunca se investiu tanto na formação, nunca se investiu tanto nas relações familiares e nunca se investiu tanto na solidariedade. Claro que há excepções, mas agora é vez de eles ficarem envergonhados quando se afirma que as pessoas são mais importantes que os luxos. Porque abanam afirmativamente com a cabeça, mas não sentem nada disso. Este maldito animal, o Sarscov-2, mostrou a quase todos que, afinal, a hierarquia das prioridades estava errada. E abriu várias janelas para pensar futuro.

Os mais conservadores dizem que tudo vai voltar ao mesmo quando isto passar. Não vai nada! Há coisas que já não voltam para trás e quem não perceber isso vai dar-se mal. Existe uma nova realidade na esquina desta pandemia. Que ficou mais perto. Até porque muitos, pessoas e países, perceberam que, afinal, tinham potencialidades que eles próprios desconheciam. Que é possível viver e crescer de outra forma. E ser feliz de maneira diferente.

Espero que os nossos líderes também percebam esta mensagem para que transformações necessárias se façam com mais harmonia e menos conflitualidade. Quanto maiores forem as dificuldades, maiores serão as exigências de mudança. Não vale a pena olhar para este momento como a oportunidade de manter velhos estatutos e velhas posturas. É exactamente o contrário!

(Editorial da edição 574 do Expansão, de sexta-feira, dia 15 de Maio de 2020, já disponível em papel ou em versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i