A Covid-19 e as finanças digitais

A Covid-19 e as finanças digitais
Foto: D.R.

Urge o kick-off deste negócio e adequação do quadro regulamentar à inovação e evolução tecnológica para o desenvolvimento do Sistema Financeiro Nacional, vislumbrado uma mudança no modus vivendi das pessoas, o modus operandi das empresas, devido ao impacto da Covid-19.

As nações com potencial de crescimento enquadradas na classificação discriminatória (em desenvolvimento) adormecem com a passividade de que o natural clementemente as venha a salvar com a verdade surrealista.

A Covid-19 surge como um fiscal de espada à cintura sem dar cavaco às grandes, médias, pequenas ou até mesmo microempresas, territórios, negócios, nada. Ela veio sublinhar a necessidade de tomarmos consciência de como devemos proceder na transversalidade de tudo o que interage na sociedade, independentemente da sua grandeza para o bem social, económico, religioso, das pessoas que fazem as famílias, na necessidade de mudar o nosso modus vivendi e manter ou adoptar a utilização das plataformas digitais, nos mais variados serviços, áreas ou sectores, como na restauração, saúde, entretenimento e finanças.

Podemos tirar exemplos da M-Pesa, OPay e PalmPay, que actuam ao longo do continente, considerando como sucesso, operações monetárias por meio de telemóveis. Tem-se assistido a um "boom" no crescimento das startups/fintetch em África, durante a última década. São líderes em África, a Nigéria, África do Sul e o Quénia, incluindo-se também neste comboio o Gana, a Tanzânia, a Etiópia e o Senegal, no leque dos 54 países e 1,2 mil milhões de pessoas.

A África é o continente líder em serviços de mobile Money, tendo como destaque a zona subsaariana. Para destacar o potencial da nossa região (subsaariana), foram transacionados no pretérito ano de 2019, cerca de 23,8 mil milhões USD, que comparado ao ano análogo (2018) traduz um acréscimo de 28 por cento. Segundo dados da The Africa Report, foram criadas na zona subsaariana, 50 milhões de novas contas de mobile Money via telefone celular, elevando para os 469 milhões o número de utilizadores na região. (...)

*Economista e Docente Universitário


(Leia o artigo integral na edição 576 do Expansão, de sexta-feira, dia 29 de Maio de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i