O papel do sector das comunicações no contexto da nova normalidade

O papel do sector das comunicações no contexto da nova normalidade
Foto: César Magalhães

Com esta mudança nos hábitos de consumo acelerada na sociedade angolana, importa realçar a importância da aplicação de regulamentação enquadrada sobre o comércio electrónico para salvaguarda da segurança e dos interesses dos interlocutores da cadeia de valor.

Com a crise pandémica da Covid-19 em diferentes escalas a nível mundial, indústrias e sectores de actividades têm recorrido aos diferentes serviços digitais para manter a execução das suas actividades de forma a mitigar potenciais impactos negativos nas suas operações. Áreas de actividades como comércio electrónico, telemedicina e serviços financeiros electrónicos que, no passado, já contribuíam de forma menos relevante para o desenvolvimento socioeconómico do País, tenderão a ser acelerados com este período de pandemia e isolamento social vivenciado actualmente no País.

Em Angola, desde o início da pandemia e com a actual vigência do estado de calamidade, o sector das comunicações electrónicas tem contribuído activamente com a continuidade de disponibilização dos serviços de telecomunicações (serviços de telefone fixo, telefone móvel, internet fixa, internet móvel e televisão por subscrição) e os serviços de transmissão em redes utilizadas para a radiodifusão. Estes serviços contribuem quotidianamente para a prestação de serviços mínimos, para a dinamização de alguma economia de maneira remota e para que a sociedade mantenha os laços sociais com familiares e amigos assim como permitir o acesso a informação para o bem-estar público.

No contexto do comércio electrónico, o mesmo já faz parte dos hábitos dos angolanos, porém ainda que de forma complementar aos meios tradicionais - lojas físicas. A corrente pandemia e o período de isolamento social estão a contribuir para acelerar a mudança nos hábitos de compras no País, através de novas formas de comércio, como lojas e plataformas online que têm sido dinamizadores no processo de comercialização de bens e serviços a nível nacional.

* Partner de Advisory da KPMG

(Leia o artigo integral na edição 578 do Expansão, de sexta-feira, dia 12 de Junho de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i