Quatro universidades angolanas entre as mais populares de África

Quatro universidades angolanas entre as mais populares de África
Foto: D.R.

O ranking, que é liderado por seis universidades da África do Sul, não avalia a qualidade de ensino das instituições, mas sim a popularidade e visibilidade na internet das universidades classificadas. A Universidade Católica e a Metodista de Angola já têm mais do que uma participação na UniRank.

A Universidade Privada de Angola na 70.ª posição, a Católica de Angola (79.ª), Universidade Agostinho Neto (98.ª) e a Universidade Óscar Ribas (117.ª) fazem parte das 200 instituições de ensino superior mais populares do continente africano.

As instituições que fazem parte deste ranking obedecem a vários critérios, como ser oficialmente reconhecidos e licenciados por organizações relacionadas com o ensino superior, ter uma oferta formativa de, pelo menos, quatro anos de graduação (bacharelato ou licenciatura) ou pós-graduação (mestrado ou doutoramento) e ministrar cursos predominantemente num formato tradicional, presencial e à distância.

O ranking é liderado por universidades sul-africanas, que ocupam os primeiros seis lugares, nomeadamente a Universidade de Pretória (1.ª posição), da cidade do Cabo (2.ª), de Witwatersrand (3.ª), de Joanesburgo (4.ª), de KwaZulu-Natal (5.ª) e a universidade Stellenbosch (6.ª).

De acordo com o reitor da Universidade Óscar Ribas, Eurico Gungula, é um passo dado porque ao longo dos anos têm sido feito trabalhos com esta perspectiva.

O responsável da universidade sublinha que há um trabalho que deve ser feito para continuar a manter a presença nos rankings, embora admita que é preciso mais investimentos, de tempo e recursos financeiros, para que a instituição possa estar melhor representada, pois há uma série de factores exigidos para que as instituições constem nas classificações dos rankings internacionais.

"O desafio que o Governo lançou às instituições de ensino superior é ter uma universidade entre as 100 melhores, no entanto, esta classificação é um indicador daquilo que tem sido feito para chegarmos à meta e mostra-nos também que estamos a caminhar bem, para estar entre as melhores universidades", explica o reitor, avançando que a sua instituição tem publicado semestralmente a revista científica digital "Sapientiae".

Depois de ter estado em 2018 na 81.ª posição, a Universidade Metodista de Angola volta ao ranking em 2020.

(Leia o artigo integral na edição 580 do Expansão, de sexta-feira, dia 26 de Junho de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i