O momento de a OMC ser a favor de África

O momento de a OMC ser a favor de África
Foto: D.R.

A escolha do próximo director-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) entrou na sua fase final, restando dois candidatos na corrida: Ngozi Okonjo-Iweala, ex-ministra das Finanças e Economia da Nigéria e ex-directora-geral do Banco Mundial, e Yoo Myung-hee, ministra do Comércio da Coreia do Sul.

Tendo em vista os desafios actuais da OMC, Okonjo-Iweala é a melhor escolha.

A OMC enfrenta duas grandes crises: uma crise institucional causada pela rivalidade das grandes potências entre os Estados Unidos e a China, e uma crise da globalização - da qual a OMC, como supervisora das regras de comércio mundial, é um símbolo importante.

As tensões comerciais sino-americanas paralisaram a organização, com os EUA a bloquear a nomeação de novos juízes para o seu órgão de recurso, que é o órgão que trabalha para resolver disputas comerciais entre os países-membros. Além disso, a crise da Covid-19, outra fonte de tensão entre grandes potências, levou muitas empresas a considerar a realocação das suas produções para reduzir a sua dependência dos fornecedores chineses atingidos pela pandemia, o que perturba as cadeias de abastecimento globais que são cruciais para o comércio mundial.

Se for escolhida para ficar à frente da OMC, Okonjo-Iweala tem as credenciais de liderança para restabelecer a relevância de uma organização falida. A OMC precisa de um líder mundial com provas dadas, bastante conhecedor do papel do comércio no desenvolvimento, em vez de um burocrata comercial que possa não ter uma visão mais abrangente. Com a sua experiência no Banco Mundial (onde os EUA e a China são os principais jogadores) e como ministra das Finanças reformista na Nigéria, Okonjo-Iweala, formada em Harvard e no MIT, tem uma rara combinação de competências de liderança política e competência tecnocrática comprovada.

A OMC precisa de um líder que possa criar consenso, porque o desígnio da organização não permite uma liderança descendente. E Okonjo-Iweala tem a seriedade necessária para construir pontes entre os EUA e a China, por um lado, e entre a OMC e África, por outro.

Apesar de ser amplamente considerada como a próxima fronteira do mundo em termos de investimento e desenvolvimento, África é essencialmente um espectador no sistema de comércio mundial, que representa uns escassos 2% das exportações mundiais. Embora o continente seja um mercado crescente para os produtos da globalização, não beneficia muito do comércio mundial, devido à sua presença limitada nas cadeias de valor globalizadas. Em vez disso, África comercializa principalmente produtos agrícolas e recursos naturais, enquanto a maior parte do comércio mundial se concentra em sectores de produção e de serviços.

África precisa de comercializar com o mundo da mesma forma que outras regiões, mas o sistema de comércio mundial está a manter o continente subdesenvolvido. Os países industrializados, em particular, cobram tarifas baixas sobre as importações de matérias-primas africanas, mas mais altas sobre os produtos acabados africanos - na verdade, mais altas do que para produtos similares importados de outras regiões.

O comércio mundial de hoje está, portanto, munido contra África. Para ajudar a corrigir este desequilíbrio, as disposições de tratamento especial e diferenciado da OMC para os países menos desenvolvidos devem permitir que os governos africanos forneçam protecção tarifária temporária para fabricantes nacionais que estejam a dar os primeiros passos, dentro das regras da OMC.

*Ex-vice-governador do Banco Central da Nigéria

(Leia o artigo integral na edição 599 do Expansão, de sexta-feira, dia 6 de Novembro de 2020, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i