Angola recorre a endividamento de 938 mil milhões de Kz para cobrir défice de despesas correntes em 2021

Angola recorre a endividamento de 938 mil milhões de Kz para cobrir défice de despesas correntes em 2021
Foto: D.R.

A queda acentuada do PIB petrolífero, as previsões de crescimento nulo para 2021 e uma recessão de cerca de 3,3% até Dezembro, levaram o Executivo a recorrer a um endividamento de 938 mil milhões de Kz, o valor previsto do défice de despesas correntes da proposta de OGE para 2021, aproveitando a folga que o mesmo ainda permite para Angola se endividar.

Este recurso pretende evitar que o défice cresça mais, atendendo a que o "nível de dívida do PIB já está acima dos 100%", disse a secretária de Estado do Orçamento e Investimentos Públicos, Aia-Eza da Silva, à Rádio Nacional de Angola, afirmando que o País não vai conseguir pagar as despesas previstas com a receita que vai arrecadar.

A proposta de OGE 2021 vai ser discutida e votada, na generalidade, esta terça-feira, na Assembleia Nacional.

O documento, elaborado num período de grande incerteza, e a reflectir cinco anos de recessões, apresenta receitas estimadas e despesas fixas de 14,78 biliões de kwanzas.

Para além destes números, a membro do Governo recorda que há ainda para pagar "a despesa de financiamento - financiar o défice é uma coisa e vamos ter que fazê-lo -, mas depois vamos ter o financiamento do próprio nível de endividamento, que já temos hoje, e aí ainda são outros dinheiros a considerar", referiu.

As previsões de crescimento positivo para 2021 saíram goradas pela pandemia e tudo indica "que a taxa de crescimento do produto para o país seja nula para o próximo ano, o que não é bom, porque nós temos vindo a ver recessões sucessivas no nosso produto de economia nos últimos anos", admitiu Aia-Eza, que atribui o cenário à queda acentuada do PIB petrolífero, cujo decréscimo "são 1.200 barris por dia, isto é uma produção bastante reduzida em relação àquilo que seriam os melhores prognósticos sobre este mesmo indicador".

Com uma taxa de crescimento nula, a secretária de Estado admite dificuldades para concretizar as expectativas relacionadas com a produção, criação e geração de mais empregos, de maior funcionalidade em termos de produção e de bens e serviços para a economia nacional.

A proposta do OGE 2021 apresenta um défice fiscal de cerca de 2,2% do PIB, de qualquer forma estamos a falar de um aumento de 9,11% em comparação com o documento em vigor, elaborado com base no preço de referência de 39 dólares por barril de petróleo, contra os 40 dólares perspetivados pelas agências económicas internacionais.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i