Director Carlos Rosado de Carvalho

Fintech: balanço e tendências

Fintech: balanço e tendências
Foto: D.R.

E qual o papel de África neste contexto? É certo que algumas das tendências parecem, por vezes, distantes da realidade prática das geografias e dos clientes de países africanos. No entanto, é previsível que venhamos a assistir ao aumento do investimento em soluções direccionadas para as necessidades de populações ainda não bancarizadas no sudeste asiático e no continente africano.

Em 2018, o investimento global na área de fintech aumentou consideravelmente, com o volume total de operações - incluindo operações de fusões e aquisições, private equity e venture capital - a mais do que duplicar, dos 50,8 mil milhões USD em 2017, para 111,8 mil milhões USD em 2018.

Estes números impressionantes foram alimentados, em parte, por alguns grandes negócios concretizados ao longo do ano, envolvendo entidades como Worldpay (Reino Unido), Ant Financial (China) e Refinitiv (Estados Unidos da América). Os números estão no relatório "Pulse of Fintech 2018", apresentado este ano pela KPMG e permitem perceber como se movem as tendências na área dos serviços financeiros em todo o mundo.

Com África ainda fora das grandes operações na área de fintech, verifica-se que o investimento no sector aumentou nas restantes regiões do globo (América, Europa e Ásia), ainda que o número de operações tenha sofrido apenas um aumento ligeiro.

Do ponto de vista tecnológico, as áreas de pagamentos e crédito continuam a atrair os maiores volumes de investimento, com nichos como insurtech e regtech a começarem a surgir no radar dos investidores. (...)


(Leia o artigo integral na edição 514 do Expansão, de sexta-feira, dia 7 de Março de 2019, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i