Director Carlos Rosado de Carvalho

Dr. Massano entre na onda e aproxime-se do povo

Dr. Massano entre na onda e aproxime-se do povo

Na semana passada manifestei-me confuso com as decisões da última reunião do comité de política monetária (CPM) do Banco Nacional de Angola (BNA) que considerei contraditórias.

A razão da minha confusão residia no facto de, se por um lado, o BNA apertou a política monetária, aumentando a taxa BNA, por outros dois desapertou. Em primeiro lugar, reduzindo o coeficiente de reservas obrigatórias. Em segundo, libertando os compradores de divisas da obrigação de depositarem nos bancos o contra-valor em kwanzas dos pedidos de moeda estrangeira.

Na sequência do que escrevi, duas fontes alertaram-me que nem tudo o que parece é. Referiam-se em particular à redução do coeficiente de reservas obrigatórias, isto é, a percentagem dos depósitos que os bancos são obrigados a depositar no BNA. Não tendo que depositar tanto dinheiro no BNA os bancos ficam com mais dinheiro para emprestar.

Não é bem assim, garantem as duas fontes. Porquê? Porque a redução do coeficiente de reservas obrigatórias de 30% para 21% apresenta algumas nuances, a principal das quais tem a ver com o facto de os títulos da dívida pública terem deixado de ser elegíveis para a constituição das reservas. O mesmo sucede com os créditos para produção de bens alimentares.

Ou seja, os bancos vão ser obrigados a substituir os títulos do Estado e os créditos para a produção de bens alimentares que contavam para as reservas por dinheiro.

Se os montantes libertados pela redução nas reservas obrigatórias for superior aos títulos públicos e aos créditos até agora usados para cumprimento das mesmas reservas, os bancos ficam com mais dinheiro para emprestar. Caso contrário ficam com menos. As minhas fontes garantem ser este o caso.

Não tenho razões para duvidar das fontes, pelo contrário.

Mas tenho uma pergunta que não posso calar. Porque é que o governador do BNA não vem a público explicar as decisões de política monetária como acontece com os principais bancos centrais do mundo?

As decisões de política monetária mexem com as taxas de juro e por essa via com os nossos bolsos. Dr. Massano entre na onda da política de proximidade da nova administração e passe a explicar em conferência de imprensa as decisões de política monetária. Se não for sempre, pelo menos quando essas decisões são susceptíveis de provocar confusão entre os agentes económicos.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i