Cuidado com os economistas que apoiam os paradigmas da política

Cuidado com os economistas que apoiam os paradigmas da política
Foto: D.R.

O neoliberalismo morreu. Ou talvez ainda esteja bem vivo. Experts têm falado em ambas as possibilidades actualmente. Mas, de qualquer forma, é difícil negar que algo novo está a acontecer no mundo da política económica.

O presidente dos EUA, Joe Biden, apelou a uma enorme expansão dos gastos do governo em programas sociais, infra-estruturas e transição para uma economia verde. Ele quer usar as compras governamentais para reconstruir as cadeias internas de abastecimento e trazer empregos no sector de manufactura de volta aos Estados Unidos. A sua secretária do Tesouro, Janet Yellen, está a pressionar para um aumento global e coordenado dos impostos corporativos. Jerome Powell, presidente da Reserva Federal, tradicionalmente o braço mais agressivo do governo na estabilidade dos preços, está a minimizar os receios de inflação e a dar o seu apoio à expansão fiscal.

Todas essas mudanças de política representam um acentuado desvio do pensamento convencional em Washington. Será que elas também auguram um novo paradigma de política económica?

As políticas económicas nos Estados Unidos, e no Ocidente em geral, há muito que precisam de uma reformulação. As ideias dominantes desde a década de 1980 - também chamadas de Consenso de Washington, fundamentalismo de mercado ou neoliberalismo - ganharam força originalmente por causa das deficiências observadas no keynesianismo e na excessiva regulamentação governamental. Mas elas ganharam vida própria e produziram economias altamente financiadas, desiguais e instáveis que não estavam equipadas para enfrentar os desafios mais importantes da actualidade: mudança climática, inclusão social e novas e revolucionárias tecnologias.

A mudança de paradigma necessária pode começar de maneira útil com a forma como ensinamos economia. Os economistas tendem a apaixonar-se pelo poder dos mercados para promover a prosperidade económica geral. A mão invisível de Adam Smith - a ideia de que indivíduos com interesses próprios que procuram apenas o seu enriquecimento pessoal podem produzir prosperidade colectiva em vez de caos social - é uma das jóias da coroa da profissão de economista. Também continua a ser profundamente contra-intuitiva, talvez por isso os economistas dediquem uma quantidade excessiva de tempo ao proselitismo sobre a magia dos mercados.

Mas a economia não é uma homenagem aos mercados livres. Na verdade, grande parte do ensino de economia concentra-se em como os mercados podem produzir muita desigualdade e como eles falham nos seus próprios termos de eficiente alocação de recursos. Mercados perfeitamente competitivos que produzem harmoniosamente equilíbrios estáveis são apenas uma possibilidade entre muitas. O modelo smithiano não é o único. Mesmo assim, a reacção automática de muitos economistas é tratar os mercados competitivos que funcionam bem como a referência importante para qualquer desvio proposto do laissez-faire.

* Professor de Economia Política na John F. Kennedy School of Government da Universidade de Harvard

(Leia o artigo integral na edição 624 do Expansão, de sexta-feira, dia 14 de Maio de 2021, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i