Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Logo WeekendAutomóveis

Toyota investe 13 bilhões USD em baterias avançadas para carros eléctricos

Construtura japonesa faz investimentos para reduzir emissões de gases poluentes

O director de tecnologia da Toyota Motor Corporation, Masahiko Maeda anunciou, nesta quarta-feira 7 de Setembro, um investimento de 13 bilhões USD para desenvolver novas baterias para carros eléctricos, uma aposta que prevê a redução de 30% nos custos de produção da construtora japonesa.

A marca assegura que está desenvolver um novo tipo de bateria avançada de íon de lítio que estará disponível para o uso a partir de 2025. Com o novo produto, a Toyota vai aumentar a vida útil das baterias dando uma capacidade de carregamento mais rápida. Tudo isso tudo sem comprometer a segurança e a qualidade.

Para a marca, a possibilidade é que o Novo Toyota bZ4X, que está programado para ser lançado em breve, tenha o acesso a essa fonte de energia, da nova bateria, que, e além dos aspectos já citados, mais 30% barata. Dessa forma, através deste desenvolvimento integrado de veículos e baterias, a Toyota pretende reduzir para 50% o custo financeiro que vem investindo em produção de bateria por veículo.

"Para popularizar os BEVs (veículos elétricos), gostaríamos de reduzir custos e fornecer BEVs a um preço razoável. Para começar, o nosso objetivo é reduzir os custos das próprias baterias em 30% ou mais, desenvolvendo materiais e estruturas. E no veículo, fazer a melhoria no consumo de energia, que é um indicador da quantidade de eletricidade consumida por quilómetro, começando com o Toyota bZ4X", explicou o director de tecnologia da Toyota, Mahahiko Maeda.

Estima-se que a Toyota tem estado a seguir firme no desenvolvimento de produtos de energia limpa, cujo objectivo passa por uma frota cada vez mais electrificada ou híbrida como tendência.

A construtora japonesa está fazer investimentos no desenvolvimento de tecnologias que visa reduzir as emissões de CO2 (dióxido de carbono), para alcançar o feito de zero emissões de gases poluentes, o que significa reduzir os poluentes desde o processo de aquisição de matérias-primas, à fabricação e transporte, e, claro, à reciclagem e o descarte.