Como economistas e não economistas se podem entender

Como economistas e não economistas se podem entender
Foto: D.R.

Economistas nunca foram tímidos em assumir grandes questões que disciplinas como história, sociologia ou ciências políticas consideram ser da sua própria competência. Quais foram as implicações de longo prazo da escravidão para a sociedade americana contemporânea?

Porque algumas comunidades exibem níveis mais altos de confiança social do que outras? O que explica o aumento do populismo de direita nos últimos anos?

Ao abordar essas e muitas outras questões não económicas, economistas foram muito além da sua preocupação básica com a oferta e a procura. Essa transgressão dos limites disciplinares nem sempre é bem-vinda. Outros académicos objectam (quase sempre correctamente) que os economistas não se preocupam em familiarizar-se com o trabalho existente nas disciplinas relevantes. Eles queixam-se (novamente, com razão) de uma inóspita cultura académica. Repletos de interrupções e questionamentos agressivos, os seminários de economia podem parecer a quem está de fora mais parecidos com a Inquisição do que um fórum para colegas comunicarem resultados e prospectar novas ideias.

Talvez a fonte mais importante de tensão, entretanto, surja dos métodos que os economistas trazem para as suas pesquisas. Eles contam com ferramentas estatísticas para demonstrar que um determinado factor estrutural teve um efeito "causal" no resultado de juros. Muitas vezes mal compreendido, esse método pode ser fonte de intermináveis e improdutivos conflitos entre economistas e outros.

Compreender as vantagens (e limitações) dos métodos dos economistas explica o valor que eles podem agregar à análise de questões não económicas. Igualmente importante, ressalta como a abordagem dos economistas pode complementar, mas nunca substituir os métodos alternativos, muitas vezes qualitativos, usados noutras disciplinas académicas.

Vale a pena começar com a própria ideia de causalidade. Em ciências, adquirimos conhecimento sobre a causalidade de uma de duas maneiras. Ou partimos de uma causa e tentamos identificar os seus efeitos. Ou partimos do efeito e tentamos determinar a sua (s) causa (s).

O estatístico da Universidade de Columbia, Andrew Gelman, chamou o primeiro método de "inferência causal directa" (indo da causa aos possíveis efeitos ) e o segundo "inferência causal reversa" (indo do efeito às prováveis causas). Os economistas estão obcecados com a primeira dessas abordagens - inferência causal directa. A pesquisa empírica mais altamente valorizada é que aquilo que demonstra que uma variação exógena em algumas subjacentes causas X tem um efeito previsível e estatisticamente significativo num resultado de interesse Y.

Em ciências naturais, os efeitos causais são medidos por meio de experiências de laboratório que podem isolar as consequências das variações nas condições físicas sobre o efeito de interesse. Às vezes, economistas imitam esse método por meio de experiências sociais aleatórias.

Por exemplo, famílias podem ser designadas aleatoriamente para um programa de concessão de dinheiro - com algumas a receber a renda extra e outras não - para descobrir as consequências da renda adicional.

Na maioria das vezes, a história e a vida social não oferecem condições semelhantes às de um laboratório que permitem que os efeitos das mudanças na condição humana sejam determinados e medidos com precisão. Em vez disso, economistas recorrem a imaginativas técnicas estatísticas.

*Professor de Economia Política Internacional na Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard

(Leia o artigo integral na edição 618 do Expansão, de sexta-feira, dia 02 de Abril de 2021, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i