Manuel Rabelais que lesou o Estado em 22,9 mil milhões Kz condenado a 14 anos de prisão

Manuel Rabelais que lesou o Estado em 22,9 mil milhões Kz condenado a 14 anos de prisão
Foto: Quintiliano dos Santos

O Tribunal Supremo de Angola condenou esta segunda-feira Manuel Rabelais, ex-diretor do extinto Gabinete de Revitalização da Comunicação Institucional e Marketing da Administração (GRECIMA), a 14 anos e seis meses de prisão, e o seu assistente, Hilário Gaspar Santos, a 10 anos e 6 meses, pelos crimes de peculato e branqueamento de capitais, que terão lesado o Estado em mais de 22,9 mil milhões de kwanzas.

Manuel Rabelais que também foi ministro da Comunicação Social, estava arrolado no processo na qualidade de ex-diretor do extinto GRECIMA, criado pelo ex-Presidente, José Eduardo dos Santos e extinto pelo actual chefe de Estado, João Lourenço.

Daniel Modesto, o juiz do processo, fundamentou a sentença pelos actos cometidos entre 2016 e 2017 e porque os arguidos "não mostraram qualquer arrependimento e tentaram esquivar-se de forma ardilosa dos actos ilícitos que sabiam que tinham praticado".

De acordo com a acusação, os arguidos defraudaram o Estado angolano em mais de 22,9 mil milhões de kwanzas, sendo 4,6 mil milhões de kwanzas recebidos diretamente do Orçamento Geral do Estado e 18,3 mil milhões de kwanzas das divisas recebidas do Banco Nacional de Angola.

O juiz aceitou o pedido de recurso com efeito suspensivo, interposto pela defesa, pelo que os arguidos deverão aguardar o recurso em liberdade.

O antigo governante foi até Outubro do ano passado deputado do MPLA, mandato entretanto suspenso, por decisão e votação do parlamento que aprovou, por unanimidade, o projeto de resolução que suspendeu o mandato de deputado e retirou a imunidade a Manuel Rabelais, a pedido do presidente do Tribunal Supremo, o que possibilitou a continuidade do processo.

Além de titular da pasta ministerial da Comunicação Social, Rabelais esteve ligado à Palanca TV, Rádio Global, órgãos privados, actualmente na esfera do Estado.

Recorde-se que em Setembro de 2019, quando foi emitido o despacho de pronúncia, o documento denunciava que os dois acusados "transformaram o Grecima em autêntica casa de câmbios, angariando empresas e pessoas singulares para depositarem kwanzas em troca de moeda estrangeira, cujos montantes eram depois transferidos para 11 empresas no estrangeiro através do Banco BCI.

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i