RIL fecham Abril abaixo dos 8 mil milhões USD, valor mais baixo em 14 anos

RIL fecham Abril abaixo dos 8 mil milhões USD, valor mais baixo em 14 anos
Foto: D.R.

As Reservas Internacionais Líquidas (RIL) encerraram o mês de Abril abaixo dos 8 mil milhões USD pela primeira vez desde Janeiro de 2007, mas entretanto recuperaram e a 10 de Maio estas reservas em moeda estrangeira já valiam 8.421 milhões USD.

Segundo o relatório da quarta avaliação do FMI ao cumprimento do programa de financiamento a Angola, o limite mínimo das RIL até Março era de 8.001 milhões USD e esse limite baixa para 7.916 milhões USD em Junho. No fim de Abril, estes activos facilmente convertíveis em moeda estrangeira geridos pelo BNA estavam avaliados em 7.985 milhões USD, abaixo dos mínimos definidos para Março e a caminho de "bater" com os limites de Junho. Estes valores que remontam a valores de 2017 foram atingidos durante uma fase em que o FMI está em Angola no âmbito da quinta avaliação ao cumprimento do programa de financiamento ao país.

Em 2020, Angola gastou 15.123 milhões USD na importação de bens e serviços, o que dá uma média de 1.260 milhões mensais. Contas feitas, em Abril as RIL davam para 6 meses de importações de bens e serviços. Se só forem tidas em contas as mercadorias, as reservas internacionais davam para 10 meses.

A justificar esta queda de 5% das RIL em Abril face a Março, está a redução em 19% das receitas fiscais com exportação de petróleo no primeiro trimestre deste ano, quando o país encaixou apenas 1,1 biliões Kz face aos quase 1,4 biliões registados no mesmo período de 2020. Esta queda das receitas é justificada, segundo analistas do sector ouvidos pelo Expansão, com o declínio da produção de petróleo nos vários blocos que resulta não só da falta de investimento em exploração mas também de problemas ligados à manutenção de equipamentos. Nos primeiros três meses deste ano foram produzidos no país menos 245 mil barris diários face aos produzidos no mesmo período do ano passado. Foram quase menos mil milhões USD que não entraram nos cofres públicos.

Sem avançar em concreto a justificação para a queda em Abril, fonte do BNA revelou ao Expansão que a queda das RIL "normalmente tem a ver com a despesa do Tesouro Nacional, as despesas com as embaixadas, ou a colocação de divisas no mercado cambial para fazer face às despesas internas."

Segundo o economista Alberto Vunge, é importante garantir que o Estado Angolano terá reservas em moeda estrangeira que lhe permitam, quando surgir a necessidade, honrar com a dívida com o FMI e outros credores", daí que o País ter que cumprir com os limites mínimos impostos no programa de financiamento ampliado, já que se trata de um dos critérios de desempenho do programa.

(Leia o artigo integral na edição 624 do Expansão, de sexta-feira, dia 14 de Maio de 2021, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)

Partilhar no Facebook

Comentários

Destaques

ios Play Store Windows Store
 
×

Pesquise no i