Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Empresas & Mercados

Clientes dos bancos preferem filas ao balcão a novas tecnologias

Estudo de mercado

Apesar do forte investimento que se tem feito para a inclusão financeira, a maior parte dos clientes dos bancos comerciais continuam a deslocar-se às agências bancárias, mesmo com a disponibilidade de recursos tecnológicas que possibilitam efectuar as principais operações sem sair de casa.

Segundo o estudo de mercado desenvolvido pela empresa Mira Research, numa amostra de 954 pessoas, 88% costuma ir aos balcões físicos, sendo que 82% dos inquiridos possuem cartão multicaixa. As filas nos ATMs é um dos motivos que leva os consumidores às agências.

O estudo que visa perceber o comportamento dos clientes bancários em tempo de pandemia, realizado a nível nacional, revela que 45% dos inquiridos são mulheres e 55% são homens, sendo 32% residentes em Luanda e 68% em outras províncias. As informações recolhidas em Novembro do ano passado apontam que 20% dos entrevistados utilizam Multicaixa Express, mostrando assim que apesar de ser um aplicativo novo no mercado há registo de uma crescente adesão em relação aos aplicativos de internet banking.

Conforme os resultados da pesquisa, dos entrevistados que têm multicaixas 46% usam menos vezes os cartões nesta fase de Covid-19. A justificação é a falta de valores monetários, poupança de dinheiro e outros porque têm preferência em guardar dinheiro em casa.

Em 2020 o Banco Nacional de Angola (BNA) realizou uma pesquisa sobre a Capacidade e a Inclusão Financeira em Angola, tendo os resultados apurados no estudo mostrado que 49% dos 1.189 adultos inquiridos têm acesso a uma conta transaccional. E 29% dos que responderam não têm uma conta por falta de dinheiro, documentação insuficiente, falta de conhecimento e preferência por dinheiro como as principais razões.

Todavia, o BNA vem incentivando a utilização dos meios alternativos, nomeadamente o cartão Multicaixa, o Multicaixa Express bem como as soluções de internet e mobile banking dos bancos comerciais, como opção para a realização de pagamentos de compras e serviços, transferências e consultas de saldos, já que não requerem uma ida ao balcão.