Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Angola

Custos pagos pelas seguradoras com sinistros disparam para 19,397 mil milhões Kz

NO I TRIMESTRE DE 2022 EM COMPARAÇÃO COM 2021

O seguro de saúde foi o que mais indemnizações pagou, 13,8 mil milhões Kz, 68% do total, embora tenha também apresentado um crescimento de 60% nos prémios brutos emitidos. O mercado segurador emitiu no I semestre do ano prémios brutos avaliados em 95.844 milhões Kz, o que resulta numa taxa de sinistralidade de 20,24%.

Os custos com sinistros pagos pelas seguradoras que operam no nosso mercado no I trimestre dispararam face ao igual período em 2021 para um total de 19.397 milhões Kz, de acordo com os dados da Agência Angola de Regulação e Supervisão de Seguros (ARSEG).

O ramo doença foi que apresentou maior sinistralidade com 68% das indemnizações pagas, 13.168 milhões Kz desembolsados, apesar de o crescimento no volume de sinistros ter sido acompanhado por um crescimento de 61% nos prémios brutos emitidos. Em termos práticos os sinistros pagos aumentaram 5,2 mil milhões Kz, mas os prémios brutos cresceram mais de 10 mil milhões.

Os valores pagos por sinistros no ramo automóvel tiveram um ligeiro decréscimo, menos 41 milhões Kz, mas os prémios emitidos aumentaram 39%, mais 2 mil milhões Kz. Significa isto que foram feitos mais seguros neste I trimestre mas que os danos resultantes da sinistralidade automóvel que estão cobertos pelas seguradoras caiu.

De acordo com os analistas do mercado, a análise da sinistralidade do primeiro trimestre de 2022 versus 2021 está muito influenciada por movimentos de anulações de provisões nos ramos transportes e petroquímica no 1º trimestre de 2021, o que tem a ver com a redução do risco das operações e com a capacidade dos operadores. A taxa de sinistralidade (20,24%) está a um bom nível neste 1º trimestre do ano, embora seja cedo para se tirar quaisquer conclusões no ano, defendem operadores do mercado.

Quanto aos resultados deste primeiro trimestre, o mercado segurador emitiu prémios brutos avaliados em 95.844 milhões Kz, suportados pelo ramo não vida com 92.802 milhões Kz e Vida com 3.042 milhões Kz. No período em análise foram comercializadas 162.132 apólices, mais 110.654 em relação ao primeiro trimestre do ano passado, quando se emitiram 51.478 apólices. Os seguros de automóveis, danos em coisas e acidentes possuem o maior número, representa 75,93% das apólices.

O sector petroquímico foi o que menos apólices comercializam. Quanto à produção das seguradoras nos ramos Vida e Não Vida, a Ensa está em 1º lugar com uma percentagem de 50,63%, seguido da Sanlam 15%, Nossa Seguros 12,80%, Fidelidade 12,80% e Bic Seguros com 3,65%.

(Leia o artigo integral na edição 680 do Expansão, de sexta-feira, dia 24 de Junho de 2022, em papel ou versão digital com pagamento em kwanzas. Saiba mais aqui)