Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Angola

Extintor de 2 Kg é 4 vezes mais caro em Angola do que no estrangeiro

ESCASSEIA EM LUANDA

O regulamento da obrigatoriedade dos extintores é claro em determinar que os veículos ligeiros, carrinhas, autocarros devem possuir extintor não inferior a 2 Kg. Na prática, invalida os extintores de 1 Kg que é o mais comercializado nos Kero, que também entrou neste negócio.

Os extintores de 2 kg do tipo ABC, capazes de extinguir três classes de incêndios, e que são obrigatórios para os automóveis ligeiros a circular no país custam entre quatro e cinco vezes mais no país do que em mercados como o sul- -africano, o moçambicano ou Portugal. E em Angola são difíceis de encontrar à venda depois de a Direcção de Trânsito e Segurança Rodoviária (DTSR) ter reforçado as medidas de fiscalização a automobilistas em que quem circular sem extintor passa a estar em situação de infracção. Esta nova "obrigatoriedade" estimulou a procura e, por sua vez, fez disparar os preços.

Numa ronda do Expansão pela cidade de Luanda foi possível apurar que este tipo de extintor chega a custar até 41 mil Kz no mercado formal, o que contrasta com os preços praticados em Portugal, onde variam entre o equivalente a 8.800 Kz até 12.800 Kz em lojas como a retalhista Narauto) ou Moçambique e África do Sul onde rondam os 8.800 Kz, equivalente a cerca de 22 USD. O extintor de 2 Kg era até antes desta imposição do "regulamento de acessórios de segurança, avisadores especiais, uso de extintores de incêndio, equipamentos de primeiros socorros e sinalização luminosa", um aparelho ignorado pelos condutores e pelas autoridades.

Neste momento, surge em primeiro lugar na cadeia de importância dos proprietários de veículos. No entanto, apesar dos preços altos, os proprietários de automóveis continuam a procurar por este acessório de segurança para evitarem estarem sujeitos a coimas a serem aplicadas por incumprimento do decreto presidencial nº 145/17 de 26 de julho que obriga ao uso dos extintores. O regulamento está, para já, numa fase mais pedagógica de as autoridades concederem três meses para a sua aplicabilidade. A previsão é que daqui a dois meses seja possível a policia multar por este incumprimento.

Na ronda feita pelo Expansão em algumas superfícies comerciais foi possível apurar que dezenas de extintores de 2 kg são vendidos em tempo recorde. De acordo com funcionário de uma das superfícies comerciais especializada em vendas a retalho de materiais e equipamentos de construção e indústria, a venda dos extintores de 2 Kg é um negócio que se iniciou apenas depois do reforço do regulamento. "Estamos a vender muito bem. As prateleiras estavam cheias na segunda-feira e hoje, quarta-feira, praticamente já não temos", afirma a fonte.

Percebe-se também que até ao momento o negócio fica mais concentrado no mercado formal, sendo que a "intromissão" dos informais ainda não ocorre como nas vendas de coletes retro-reflectores e triângulos que também fazem parte desta obrigatoriedade. De acordo com um vendedor ambulante, que está também nesta nova aventura, a única explicação é que os extintores estão muito difíceis de aparecer e quando aparecem os preços são muito altos, o que não permite grande margem de lucros, diferente do que acontece com coletes e os triângulos.

O supermercado Kero também entrou neste negócio, mas apenas com venda de extintores de 1 Kg, que não são os exigidos para viaturas ligeiras e que por isso quem os comprar está sujeito a multas, pois o regulamento é claro em determinar que "os veículos ligeiros, carrinhas, autocarros, cujo peso bruto não excedam 3500 Kg, devem possuir um aparelho de extintor adequado, não inferior a 2 Kg.". De acordo com funcionários, vende-se mais de três dezenas por dia na loja dos Combatentes. Cada extintor custa perto de 13 mil Kz.