Saltar para conteúdo da página

Logo Jornal EXPANSÃO

EXPANSÃO - Página Inicial

Angola

Uma história de 15 anos assente na credibilidade e no rigor de um jornalismo independente

COM OS OLHOS NO FUTURO

Neste trajecto foram publicadas 765 edições do jornal e umas dezenas de revistas temáticas agregadas a alguns dos 31 Fóruns que já realizámos. Modernizámos o nosso site, desenvolvemos produtos digitais para várias redes sociais, produzimos conteúdos multimédia e vamos lançar uma nova App e uma nova versão ePaper.

O Jornal Expansão nasceu no início de 2009, um momento em que se começou a fazer sentir na nossa economia o impacto do choque petrolífero de 2008, o preço do barril de petróleo caiu de 140 USD para 40 USD, mas existia um ambiente de euforia na nossa economia. Muitas empresas a entrarem no mercado, centenas de empresários estrangeiros que visitavam o País à procura de novas oportunidades, o dólar valia 90 Kz, as importações de mercadorias totalizavam 22.600 milhões USD/ano, o PIB per capita era de 3.147 USD e a dívida pública era de apenas 56,3% do PIB.

Víctor Fernandes, primeiro director do jornal e impulsionador deste nascimento, explica que "na realidade tudo começou com a revista Estratégia. O que nós queríamos na altura era ter um meio de comunicação de informação económica e de negócios, pura, que não existia no mercado. Foi assim que lançámos a revista, primeiro mensal, depois quinzenal, mas rapidamente percebemos que com esta periodicidade era difícil acompanhar a vida das empresas, e o passo natural era avançar para um jornal". Acrescenta ainda que "nós queríamos acompanhar esse boom económico, relatar a vida das empresas e todo esse ambiente. Acompanhámos o nascimento do mercado de capitais, depois da bolsa. Era tudo isso que nos motivava".

Lembra também que o grupo de pessoas que estava ligado a este projecto tinha ligações próximas ao Diário Económico de Portugal. "Eu era inclusive amigo do director Miguel Coutinho, e foram eles que nos deram o apoio para o lançamento do jornal. Foi de lá que veio muito do know-how que precisávamos para fazer este lançamento".

Já a escolha do nome também tem uma história curiosa. "Esteve para ser Diário Económico, mas, na verdade, não era um nome que nos agradasse. Olhámos para o Expansion espanhol, na altura ainda em formato grande, e foi daí que escolhemos o nome. Expansão significava isso mesmo, crescimento, um mercado e um País que se estava a expandir. E foi por aí que fomos. Um título que significava evolução", refere.

Víctor Rodrigues foi director do Expansão cerca de um ano, tendo assumido depois a liderança do projecto o jornalista Evaristo Mulaza na edição de 26 de Fevereiro de 2010. A partir de 4 de Novembro de 2011 passou a ter uma directora executiva, Nilza rodrigues, que se manteve no cargo até 13 de Setembro de 2013.

Na altura era marcadamente um jornal de negócios, de vida empresarial, sem beliscar os políticos, adaptado à realidade daquele tempo. Tinha ainda pouca análise e reportagens, mas já condensava a informação económica disponível. A evolução natural foi dar maior destaque aos temas financeiros e económicos e, como não se pode falar destas matérias sem entrar na esfera do poder, o jornal passou a ser mais interventivo.

Isto tornou-se mais evidente depois da entrada de Carlos Rosado de Carvalho em Maio de 2013, primeiro como consultor editorial e, a partir da edição de 20 de Setembro desse ano, como director do jornal. Foram quase seis anos à frente do Expansão, sendo que abandonou o cargo no final de Março de 2019, substituído interinamente pelo jornalista Joaquim José Reis durante dois meses, quando o Expansão teve o quarto director da sua história, o jornalista João Armando, que se mantém até hoje.

A evolução do jornal para os temas microeconómicos e sociais deu-lhe uma outra dimensão, aproximou-o das questões que mais preocupam os cidadãos, ao mesmo tempo que foi mudando a sua linguagem para um discurso mais fácil, mais acessível aos que não se movimentam nos corredo res da economia. Hoje faz parte do projecto editorial uma forte preocupação pedagógica, a capacidade de traduzir o "economês" para uma mensagem que seja entendida pela maioria.


Leia o artigo integral na edição 765 do Expansão, de sexta-feira, dia 01 de Março de 2024, em papel ou versão digital com pagamento em kwanzas. Saiba mais aqui)