Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Empresas & Mercados

Reaberto hotel Monalisa 18 meses após encerramento

RECUPERAÇÃO DOS ACTIVOS DO ESTADO

O hotel Monalisa Residence pertencia ao Instituto Nacional de Segurança Social mas estava sob gestão privada sem qualquer retorno para o Estado.

Com a reabertura do Monalisa Residence, propriedade do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), a entidade responsável pela protecção social vai continuar a investir no sector imobiliário para garantir a sustentabilidade do sistema. A obra custou ao Estado 30 milhões USD e, segundo o presidente do Conselho de Administração do INSS, Anselmo Monteiro, o investimento pode ser recuperado nos próximos 15 anos.

Situado no município de Talatona, em Luanda, 18 meses depois do encerramento (em Novembro de 2020), o hotel agora requalificado vai estar aberto ao público depois de a infraestrutura ser entregue ao INSS por via do Serviço Nacional de Recuperação de Activos da Procuradoria Geral da República (PGR). A PGR considera que o hotel foi construído com fundos públicos, no entanto, estava sob gestão privada sem qualquer contrapartida para o Estado.

Anselmo Monteiro garantiu ainda que a Segurança Social tem no seu escopo a vertente investimento e o sector imobiliário é um investimento seguro. O responsável clarificou que este é um plano de negócios e vai servir para que a médio e longo prazo seja possível gerar rendimentos suficientes para dar sustentabilidade ao sistema de protecção social obrigatória. "Vamos esperar que a Segurança Social consiga ajudar a economia, não só na vertente imobiliária mas também noutros sectores onde julgar oportuno e que não haja um risco substancial para os recursos que o INSS colocará à disposição da economia", destacou o gestor.

Por sua vez o director-geral do Monalisa Residence, Bruno Rocha, explicou que o hotel de oito pisos dispõe de 48 quartos, sendo 42 standard e seis suítes master. A unidade hoteleira dispõe também de 18 apartamentos. Já a ministra da Administração Pública Trabalho e Segurança Social (MAPTESS), Teresa Dias, disse que após a recepção do hotel, em 2020, a direcção do MAPTESS nomeou uma comissão de gestão para efectuar com carácter de urgência a conservação, a manutenção e segurança do imóvel, bem como a inventariação de todos os bens e equipamentos móveis. "A gestão do hotel Monalisa era da responsabilidade da sociedade Osilo-Hotéis & Resorts S.A.", disse a governante.