Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

África

Acordo falha e Access Bank da Nigéria desiste da compra do Sidian Bank do Quénia

NEGÓCIO ESTAVA AVALIADO EM 34,7 MILHÕES USD

Embora os reguladores tenham apoiado a transacção, certas condições precedentes "não foram cumpridas e as partes não conseguiram chegar a acordo sobre a variação destas condições", diz o banco nigeriano.

O acordo entre o Access Bank, o maior banco nigeriano em activos, e o Centum Investment para a compra dos 83,4% que a sociedade de investimentos detém no Sidian Bank, falhou por incumprimento das condições acordadas. A compra do banco queniano, por 4,3 mil milhões de xelins (equivalente a 34,7 milhões USD), foi anunciada em Junho pela Access Holdings e tinha o parecer favorável das duas entidades reguladoras.

"Embora todos os reguladores tenham apoiado os compromissos em torno da transacção, certas condições precedentes necessárias para completar prudentemente a transacção não foram cumpridas e as partes não conseguiram chegar a acordo sobre a variação destas condições de forma a obter o resultado desejado para as partes", lê-se num documento, assinado por Sunday Ekwochi, secretário da Access Holdings, onde o grupo anuncia que desiste da aquisição

O banco nigeriano mantém a intenção de continuar a crescer "de forma segura e sólida no Quénia e na comunidade alargada da África Oriental". Só que a estratégia já não passará pelo Sidian Bank, mas por "explorar uma variedade de oportunidades orgânicas e inorgânicas para aumentar a sua quota de mercado" naquele país.

Em Junho, a Access Holdings anunciou um acordo com a Centum Investment para a aquisição da sua participação de 83,4% no Sidian Bank, negociação enquadrada no plano de crescimento do banco nigeriano. Em Outubro de 2022, o Access Bank fechou acordo com o português Montepio para a compra da sua participação maioritária no Finibanco Angola, negócio que ficará concluído em 2023, após concluída uma auditoria ao banco.

O Access Bank estava disposto a pagar 15 mil milhões de nairas (o equivalente em Junho do ano passado a 37 milhões USD) pela compra do Sidian, para dar continuidade ao plano de expansão do banco, que, segundo o The Guardian, envolveu a compra de cinco bancos nos últimos cinco anos, no Quénia, África do Sul e Botsuana. Quando foi anunciado o acordo em Junho, o CEO do grupo, Herbert Wigwe, afirmou que a compra da participação da Centum Investment no Sidian Bank "é um avanço significativo em escala e potencial para o Access Bank no Quénia", que representa o maior mercado e corredor comercial na África Oriental.

Entre 2018 e 2020, o Access Bank adquiriu o Transnational Bank, no Quénia, que passou a funcionar como Access Bank Kenya, e o extinto banco comunitário Diamond Bank. Em 2019, anunciou a aquisição do Cavmont Bank, na Zâmbia, através de uma fusão concluída em 2021. E, no mesmo ano, o grupo nigeriano comprou o Brobank, na África do Sul, e concluiu a aquisição de 78,15% no African Banking Corporation of Botswana.

Com sede em Lagos, o Access Bank está presente em 16 mercados em três continentes, mas pretende expandir para 26 países nos próximos cinco anos, incluindo Angola, Egipto, Etiópia e Namíbia. O banco emprega mais de 28 mil pessoas na Nigéria e nas suas subsidiárias e filiais, na África Subsariana, Reino Unido e Dubai. O banco tem ainda escritórios de representação na China, Líbano e Índia.