Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Empresas & Mercados

Carrinho e BDA assinam contrato de 56,9 milhões EUR para importar equipamentos

Empresas

O Grupo Carrinho tem 10 anos para reembolsar o financiamento de 56,9 milhões de euros da linha de crédito do Deutsche Bank destinado a financiar projectos no sector da agricultura, indústria, agro-pecuária e pescas.

O Grupo Carrinho e o Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), assinaram, na quarta-feira passada, um acordo de financiamento para a importação de equipamentos industriais para a fábrica de produção de óleo na província de Benguela.

O acordo surge da autorização emitida pelo Presidente da República que confere à Ministra das Finanças, Vera Daves de Sousa, nos termos do despacho Presidencial 23/21, de 4 de Março, a emissão da garantia soberana no valor de 56,9 milhões de euros, destinada à cobertura do contrato de importação de equipamento industrial de uma fábrica de produção de óleo alimentar na província de Benguela, a favor do Grupo Carrinho, cuja primeira pedra foi lançada em Fevereiro deste ano.

O financiamento da fábrica será feito ao abrigo da linha de crédito de mil milhões de euros que resulta de um acordo entre o Deutsche Bank e o BDA que no contrato assinado com o Grupo Carrinho vai desempenhar o papel de mandatária daquele banco alemão. O acordo assinado, em Luanda, enquadra-se na linha de crédito para financiar projectos privados nos sectores da indústria, agricultura, agro-pecuária e pescas, entre os quais a fábrica de produção de óleo alimentar promovida pelo Grupo Carrinho.

A unidade vai processar cerca de 400 toneladas de óleo vegetal por dia e vai empregar 1.000 trabalhadores, de acordo com o projecto de suporte, um número elevado se tivermos em linha de conta unidades similares em outros países, mesmo funcionando com três turnos, como se propõe. O período de reembolso do financiamento é de 10 anos.

O administrador para a área financeira do Grupo Carrinho, Samuel Candundo, disse que neste momento a empresa está a refinar óleo vegetal bruto importado do Brasil, mas o grande objectivo é trabalhar com os produtores de soja em Angola.