Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Gestão

Subsídios na infância para o crescimento económico

Em análise

Acabamos de sair do mês dedicado às crianças em que podemos aproveitar para um período de reflexão sobre a qualidade de vida e o futuro da nossa nação. Como se tem preparado a próxima geração angolana? Com o aumento do custo de vida, tem sido visível a quantidade de mulheres e crianças pedintes pelas ruas da cidade. Angolanos como nós, muitos sem emprego, sem negócios, sem opções e a sobreviver muitas vezes sem uma refeição diária.

Resumidamente, sem soluções. Direcionando o foco para estas crianças, grande parte delas está fora do sistema de ensino e caso não haja um direcionamento e vontade política, seguirão a sua vida sendo marginalizadas. Pouco ou nada irão contribuir para o desenvolvimento económico do País, mas isso é algo que já todos temos consciência. Sendo assim, o que poderá ser feito?

Nos E.U.A, por exemplo, a administração Biden colocou como proposta conceder subsídios para o acesso à educação pré-escolar e cuidados infantis como um projeto de longo prazo para o crescimento económico. A proposta do presidente Biden é subsidiar os cuidados infantis durante 10 anos, com um total de 225 biliões de dólares. Que serão utilizados na melhoria de centros infantis, na capacitação de educadores, criação de programas educacionais, etc. Pretende-se com esse investimento tornar mais facilitado para os progenitores, especialmente as mulheres, o acesso ao mercado de trabalho, aumento da sua produtividade e potencialização do crescimento económico do país. Este é o plano de uma nação rica!

Para uma nação pobre como a nossa, investir nas crianças e investir no seu futuro é urgente, porque só desta forma poderemos ter quadros capazes no futuro. Necessitamos de desenvolver projetos de longo prazo, a 10, 15 ou 20 anos, visando uma melhoria na capacitação das próximas gerações de angolanos. Os programas a serem desenvolvidos devem focar-se na educação, artes, desporto, saúde e alimentação.

*Educadora financeira

(Leia o artigo integral na edição 631 do Expansão, de sexta-feira, dia 2 de Julho de 2021, em papel ou versão digital com pagamento em Kwanzas. Saiba mais aqui)