Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Angola

Guerra nos preços e nas comissões acentua-se nos "ubers" da cidade Luanda

SERVIÇO DE MOBILIDADE URBANA

UGo lidera nos preços e Heetch é líder nas comissões. A "uberização" é, no essencial, a prestação de serviços de táxi através de um aplicativo que permite partilhar a localização entre o passageiro e o motorista mais perto.

Apesar de o serviço de uber não ser ainda acessível à grande maioria da população, seis aplicativos estão na disputa para fornecer melhor serviço de mobilidade em Luanda. Além de melhorar o tempo de espera para a recolha do passageiro, as tarifas e as comissões a cobrar aos motoristas são também as grandes "armas", para esta "guerra" que se intensifica com entrada de operadores multinacionais. A necessidade de se estar conectado à internet para pedir o serviço e os preços altos são factores que tornam ainda o serviço pouco acessível à grande maioria da população de Luanda. E este é verdadeiramente apetecível para os operadores, por causa dos mais de 9 milhões de habitantes ao que se junta a fraca capacidade de resposta das formas de transporte convencionais urbanas.

A entrada de três operadores internacionais, nomeadamente Heetch, UGo Angola e o mais recente Yango é prova disso mesmo. A entradas destes operadores mais experimentados e financiados a partir do estrangeiro, obrigaram as outras operadoras redefinir as estratégias e a reduzirem os preços. As tarifas para transportes mais económicos saíram da tarifa média de 250 Kz/km em 2019 para os actuais 182 Kz/km, calculou Expansão com base nos dados de três aplicativos de operadores do mercado, Kubinga, T"Leva e UGo Angola.

É preciso mencionar que apenas estes três operadores apresentam a tarifa por km nos seus aplicativos. Os outros três só apresentam o cálculo final da tarifa calibrado na plataforma. Ao preço final, além da quilometragem, são agregados o tempo de viagem, que é condicionado pelo trânsito, e a tarifa base defina pela aplicação. Nesta altura, se compararmos com os preços gerados nos aplicativos numa corrida com o ponto de recolha no Largo das Escolas no município da Maianga até ao Supermercado Angomart do Benfica no município de Belas em condições normais calculada pelo aplicativo, a UGo Angola com origem no Líbano lidera o mercado a nível dos preços.

O aplicativo que começou a actividade com carros próprios neste ano, para a tarifa económica a tarifa é de 3.050 Kz e para os carros que oferecem mais conforto cobra 4.400 Kz. Para o mesmo trajecto, o aplicativo Kubinga aparece no segundo lugar com 3.832 Kz para classe económica e a classe confortável 4.678 Kz. O pódio dos preços mais baixos fecha com a multinacional francesa Heetch com 4.600 Kz para os carros mais económicos e carros mais confortáveis, no trajecto em análise, custa 5.200 Kz.

Multinacionais lideram nas comissões

As multinacionais são líderes ao nível de comissões a cobrar aos donos de viaturas que se associam aos seus aplicativos. A Heetch cobra por cada corrida uma taxa de 11,4 %, ou seja numa corrida de 1.000 Kz, 114 Kz fica com a empresa detentora da plataforma e o resto com o proprietário. A Yango cobra 13% de taxa de utilização do aplicativo, 10% fica com a Yango e 3% com os parceiros locais, que são empresas de gestão de frotas que se associaram à empresa com sede na Holanda. De acordo com os sócios da App Tirosa, Evandro dos Santos, Dulcidio Sachipa e Aldemiro Furtado, estes operadores são multinacionais com caminhos já consolidados e com financiamentos estrangeiros, diferente das empresas nacionais que continuam ainda a ter muitas dificuldades em receber financiamento.

A UGo e a Tirosa ficam com 20% da corrida dos veículos associados, a Kubinga fica com 25% e a T"leva tem apenas veículos próprios. O conceito uber na mobilidade é, no essencial, a prestação de serviços de táxi através de uma plataforma digital (um aplicativo) que permite partilhar a localização do passageiro com o motorista.