Saltar para conteúdo da página

Logo Jornal EXPANSÃO

EXPANSÃO - Página Inicial

Empresas & Mercados

Fim da lua-de-mel do trabalho em casa

Aumentam as queixas de trabalhadores e empresas. O teletrabalho veio para ficar, mas... menos

Várias empresas e trabalhadores pelo mundo fora falam do fim da lua-de-mel entre os trabalhadores e o trabalho remoto. Há um número crescente de queixas de trabalhadores em teletrabalho.

Há um número crescente de trabalhadores que se sentem isolados e mais propensos a desenvolver problemas musculares ou ósseos devido às más posturas. Quase 40% dos trabalhadores nos EUA dizem que se sentem exaustos após uma semana inteira de reuniões virtuais.

"Apesar da lua de mel inicial, as pessoas estão a começar a perceber que a liberdade de trabalhar em casa tem algumas desvantagens: diluição da cultura da empresa, problemas de coordenação e até mesmo o bem-estar mental de alguns trabalhadores", Marion Laboure, analista da Deutsche Bank, apresentou essa como uma das conclusões de um relatório interno da instituição financeira.

No entanto, há uma expectativa generalizada de todos os trabalhadores de continuarem em teletrabalho dois a três dias por semana ou uma ou duas semanas por mês, mesmo quando a pandemia da covid-19 deixar de constituir uma ameaça.

No caso do Deustsche Bank, o banco espera que os seus escritórios nos grandes centros financeiros como Londres ou Nova Iorque voltem a funcionar rapidamente, aliás, o número de pessoas que frequenta os transportes públicos começa a ser um indício disso mesmo.

"Trabalhar em casa trouxe novas liberdades e foi possível poupar algum dinheiro", explicou a analista do Deustsche Bank, no entanto, prosseguiu "as preocupações em torno das questões de saúde mental, o prejuízo das empresas do centro da cidade, os recém-formados incapazes de se ligarem e interagirem com colegas e até mesmo a vulnerabilidade a ataques cibernéticos" são as razões apontadas para o fim da lua-de-mel do trabalho em casa.

Um outro estudo, no caso entre os mais de 61 mil funcionários da Microsoft, nos EUA, mostra que quando todos trabalham remotamente a tempo inteiro a comunicação e a colaboração são afectadas.

Trabalhar apenas a partir de casa faz com que os empregados fiquem mais isolados na forma como comunicam, se envolvam em menos conversas em tempo real e passem menos horas em reuniões, de acordo com pesquisas publicadas na revista científica "Nature Human Behaviour".

O estudo separou os efeitos de trabalhar a partir de casa de outros efeitos relacionados com a pandemia, utilizando uma técnica estatística para comparar com empregados que anteriormente trabalhavam à distância.

Os resultados sugerem que quem se encontra em teletrabalho a tempo inteiro "pode ter maior dificuldade em adquirir e partilhar novas informações, o que poderá ter implicações no futuro na produtividade e inovação entre os trabalhadores das tecnologias de informação".

Há consequências menos positivas na vida dos trabalhadores que têm mais a ver com a situação de teletrabalho do que com a pandemia e os contrangimentos da pandemia, apontam vários estudos.