Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Gestão

O novo normal

CAPITAL HUMANO

As preocupações são as mesmas do pré-Covid-19 mas agora com novas ferramentas, como são os casos do teletrabalho, do trabalho híbrido e das semanas de apenas quatro dias úteis. São novas soluções potencializadas pela pandemia mas também pelas necessidades das empresas e trabalhadores.

Excelente notícia! Chegámos ao estado "normal" pós situação pandémica. Um pouco pelo mundo, as máscaras deixam de fazer parte dos acessórios, os abraços voltaram a ser uma forma de cumprimento, o distanciamento social só vale para pessoas tóxicas e viajar sem exigência de testes de PCR é quase uma realidade.

Não se volta ao mesmo pois nunca mais recuperaremos as pessoas que perdemos, os abraços que não demos, as viagens que não fizemos, os trabalhos que nos desligámos, apenas ganha-se uma oportunidade de fazer diferente e com mais consciência de que o imprevisto sobrevém a todos, o tempo não pára e que a vida é mesmo urgente. Este novo normal surge com novidades interessantes e desafiadoras para o RH sobre a adaptação dos formatos de trabalho afirmados durante a pandemia para este novo formato mundial.

A revolução 4.0 sobre a evolução robótica da tecnologia foi a grande aliada do mundo na luta contra a Covid-19, na perspectiva que encurtava as distâncias através de um computador, tablet ou telemóvel, numa fase que já dava os seus sinais, robotizando na logística e criando aplicativos para quase todos os tipos de actividade empresarial.

No RH essas mudanças também foram sentidas e um conjunto de adaptações e reafirmações foram feitas nas formas de trabalho, sobretudo duas: Trabalho em Casa e Trabalho Híbrido e até o recrutamento passou a ter maior lugar ao telefone, nos aplicativos de videoconferência, dando a possibilidade de contratar pessoas que vivam em cidades diferentes do local físico da empresa.

Muito se falou do teletrabalho, as suas vantagens, desvantagens, motivações e desmotivações, mas quanto ao trabalho híbrido é um conceito que foi ganhando maior expressão agora no final do situação pandémica que nada mais é do que a adaptação do "antes e do depois" da Covid-19. O trabalho híbrido é a possibilidade de alternância dos dias de trabalho no escritório e dos dias de trabalho em casa, ou seja, o funcionário desloca-se ao trabalho cerca de 2/3 dias ao escritório e o restante pode cumprir com as metas empresariais dentro do seu conforto, seja em casa, ou enquanto viaja ou onde quiser.

Ele já é considerado o "favorito" dos trabalhadores administrativos pelas várias vantagens de maior flexibilidade, maior valorização, baixa rotatividade, qualidade de vida, foco nos objectivos, uma grande poupança de gastos de electricidade e manutenção de materiais mobiliários para as empresas. O trabalho híbrido diminuiu as consequências do home office e mantém a possibilidade de conforto aos trabalhadores.

(Leia o artigo integral na edição 682 do Expansão, de sexta-feira, dia 08 de Julho de 2022, em papel ou versão digital com pagamento em kwanzas. Saiba mais aqui)