Saltar para conteúdo da página

EXPANSÃO - Página Inicial

Universidade

INAGBE garante pagamento de subsídios de Junho e Julho

BOLSEIROS INTERNOS COMEÇAM A RECEBER DURANTE A PRÓXIMA SEMANA

Devido a um constrangimento que se registou no banco BAI e que durou três semanas para ser resolvido, houve atraso no pagamento dos subsídios dos bolseiros, mas o Instituto Nacional de Gestão de Bolsas Externa (INAGBE) garante que serão pagos durante a próxima semana.

O Instituto Nacional de Gestão de Bolsas Externa (INAGBE) garantiu que está a ser processado o pagamento na totalidade dos subsídios de Junho e Julho dos bolseiros de graduação e pós-graduação internos. De acordo com o director-geral do INAGBE, Milton Chivela, no decorrer da próxima semana os bolseiros vão começar a receber os meses que restam, para o instituto preparar as candidaturas e as renovações de bolsas do ano lectivo 2022/23.

"Estamos a finalizar o 2021/22, em termos de pagamento de complemento de bolsa, e acreditamos que no decorrer da próxima semana os bolseiros vão receber os dois meses que restam, nomeadamente, Junho e Julho". O responsável justificou que os bolseiros registaram estes atrasos porque o Banco Angolano de Investimentos (BAI), que faz as transferências para os bancos, nomeadamente, o Banco de Poupança e Crédito (BPC) e Millennium Atlântico, teve um problema que durou três semanas para ser resolvido.

Milton Chivela explica que é um processo que o instituto quer encerrar porque é momento de estar a tratar das candidaturas para o ano 2022/23, e para isso, tem que ter em conta as estatísticas dos possíveis concluídos para se calcular o número de novas bolsas que serão atribuídas no mês de Novembro.

Os bolseiros que não tiverem aproveitamento neste ano académico vão ser excluídos porque, apesar da greve do Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Angola (SINPES), que se iniciou a 3 de Janeiro e se arrastou por quase quatro meses, receberam os seus subsídios sem nenhuma interrupção por orientação da titular do ensino superior.

"Apesar da greve houve instituições de ensino que trabalharam num programa para recuperar o período que ficaram parados, então para nós isso não é um tema no sentido dos estudantes justificarem a falta de êxito. O ano académico vai terminar então todos os estudantes têm de, obrigatoriamente, ter sucesso porque ao longo do ano também receberam os benefícios da bolsa".

Subsídio dos bolseiros pode aumentar

Os bolseiros internos de graduação recebem mensalmente 55 mil kz e de pós -graduação 100 mil kz, um valor que na opinião do director-geral do INAGBE, Milton Chivela, já justificam necessidade de um aumento em função da conjuntura económica do País. "Há quatro anos que sentimos a necessidade de aumentar os subsídios das bolsas e já apresentámos essa proposta para o acréscimo, mas por sermos uma instituição que dependemos do financiamento do Estado temos de ter o aval do Ministério das Finanças. Estamos a aguardar o despacho conjunto assinado pelo MESCTI e o MINFIN que define esse valor dos subsídios", diz, acrescentando que aguardam o parecer do Ministério das Finanças.

(Leia o artigo integral na edição 681 do Expansão, de sexta-feira, dia 01 de Julho de 2022, em papel ou versão digital com pagamento em kwanzas. Saiba mais aqui)